Animação por Marta Pucci

Menstruação

O que é "normal"?: duração e variação do ciclo menstrual

por Nicole Telfer, Autora Científica Revisado por Laurie Ray, DNP, Autora Científica; e Sarah Toler, DNP, Escritora científica do Clue
  • Compartilhar este artigo no Twitter
  • Compartilhar este artigo no Facebook
  • Compartilhar este artigo pelo WhatsApp

*Tradução: Juliana Secchi

Coisas importantes a saber:

  • A duração do seu ciclo é o número de dias entre menstruações, contando do primeiro dia da sua menstruação até o dia antes de sua próxima menstruação começar

  • Para adultos que não usam nenhuma forma de contraceptivo hormonal ou DIU, a duração típica do ciclo varia de 24 a 38 dias

  • O uso de contraceptivo hormonal pode mudar a duração e a variação do seu ciclo

O ciclo menstrual é mais do que apenas a sua menstruação—são as mudanças rítmicas do seu sistema reprodutivo. As mudanças ao longo do ciclo menstrual são comandadas pelos hormônios, que incluem estrogênio, progesterona, hormônio de estimulação do folículo, hormônio luteinizante e outros (1). Eles desencadeiam o crescimento dos folículos nos ovários, a liberação de um óvulo (ovulação), e o crescimento e descarga do revestimento uterino (o que chamamos de menstruação) (1).

Seu ciclo menstrual pode te avisar se tudo funciona como deve, se seu corpo está passando por mudanças ou se alguma coisa não está bem. É 100% comum haver variações no seu ciclo, mas ciclos extremamente irregulares podem ser o primeiro sintoma perceptível de que algo em seu corpo que não esteja bem regulado.

an image of 3 mobile screens of the Clue app

Acompanhe o seu ciclo menstrual todo mês com o Clue app

  • Baixe o Clue app na App Store
  • Baixe o Clue app na Play Store

4.8

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

mais de 2M+ avaliações

O que "normal" significa?

Quando se trata da duração do ciclo, há algumas terminologias muito específicas usadas por profissionais de saúde que podem soar muito clínicas e até assustadoras em algumas circunstâncias. Se você tem dúvidas sobre variações na duração do ciclo, você pode esbarrar com termos como "sangramento uterino anormal" ou "ciclos irregulares".

É importante saber que todo mundo apresenta variações e, embora o ciclo menstrual ocorra em padrões, não será sempre a mesma coisa todo mês. Mudanças nesses padrões não são necessariamente patologias e podem ser consideradas "normais". Profissionais de saúde usam termos como "sangramento uterino anormal" ou "irregular" para descrever as variações além do normal que se estendem além de certos parâmetros (3). Uma variação que se prolonga muito além da média pode ainda ser normal para você, sem causas problemáticas, enquanto pode indicar um problema para outras pessoas—e vice-versa. A única maneira de saber com precisão se seus ciclos estão fora do "normal" e se isso é um problema, é consultando profissionais médicos para esclarecer que não há patologias.

Já que o termo "normal" pode fazer alguém se sentir "anormal", e o sentido de "normal" varia ao longo do tempo e em diferentes culturas, escolhemos eventualmente usar outros termos, como "típico" ou "comum". De todo modo, tenha em mente que um(a) médico(a) pode usar os termos mais clínicos que exemplificamos.

Qual é a duração típica de um ciclo para quem não toma contraceptivo hormonal?

Duração do ciclo em adultos

A duração típica de um ciclo menstrual em adultos que não fazem uso de nenhum tipo de contraceptivo hormonal costuma ser entre 24 e 38 dias (3).

Variações nas durações do ciclo são comuns (4). Em um mesmo ano, a duração entre o ciclo mais longo e o ciclo mais curto pode variar até 9 dias e ainda ser considerada dentro dos intervalos normais (5). Por exemplo, uma variação comum pode ser de um ciclo de 25 dias de duração, seguido por um ciclo de 33 dias.

Duração do ciclo em adolescentes

Os ciclos menstruais em adolescentes por volta do período da menarca (a primeira menstruação) podem variar muito (6). É comum que os ciclos sejam um tanto irregulares por alguns anos após a sua primeira menstruação (7). Isso significa que as suas menstruações podem nem sempre vir no mesmo período em cada ciclo, e elas podem ser um tanto diferentes de ciclo para ciclo. Conforme você vai avançando na adolescência, os ciclos vão se tornando mais regulares, assimilando-se aos intervalos dos ciclos adultos, mas podem ainda ser um pouco variáveis. (6-8).

A duração típica de um ciclo menstrual de adolescentes costuma ser entre 21 e 45 dias, mas pode às vezes ser mais longa ou mais curta (8).

No início da menarca, você pode não ovular em todos os ciclos. Contudo, conforme você vai avançando na puberdade, a ovulação provavelmente ocorrerá na maioria dos seus ciclos (6).

Por que ciclos menstruais variam?

A duração do seu ciclo típico é determinada pela sua idade, genes, saúde, índice de massa corporal (IMC), comportamentos e métodos contraceptivos (9,10).

Se você menstrua há alguns anos, seus ciclos devem ter geralmente a mesma duração. Você ainda pode perceber mudanças de tempos em tempos—a duração do seu ciclo depende de seus hormônios, que podem variar devido a fatores como dieta, estresse, exercícios, trabalho em turnos ou tomar anticoncepcional de emergência (a pílula do dia seguinte) (11-18). Fumar cigarros e beber álcool em excesso também podem afetar a duração e a variação do ciclo (19-21).

Ciclos menstruais podem variar quando a ovulação não ocorre. Isso pode ser devido a condições como síndrome do ovário policístico (SOP) ou problemas na tireoide (22, 23). E ovulação inconsistente e menstruações variáveis são mais propensas de ocorrer em certas fases da vida, como a adolescência, após o parto, durante a amamentação e durante a perimenopausa (a transação à menopausa) (1,24,25).

Qual é a duração comum de um ciclo para quem toma contraceptivos hormonais?

Contraceptivos hormonais —como a pílula, o anel vaginal ou o adesivo—controlam a regulação de hormônios no seu corpo, como estrogênio e progesterona (26). Quando usados ​​corretamente, os hormônios nestes contraceptivos impedem que os ovários preparem e liberem óvulos (26). Isso interrompe o ritmo cíclico hormonal comum do seu corpo, permitindo que o anticoncepcional controle o crescimento e a descarga de seu revestimento uterino (1).

O sangramento que você tem ao tomar contraceptivos hormonais não são menstruações reais. É a hemorragia de privação causada pela retirada de hormônios durante a tomada de pílulas de placebo (pílulas que não contêm hormônio) ou durante as semanas que você não tome suas pílulas ou use anel ou adesivo.

A pílula

O sangramento menstrual ocorrerá durante esses dias de placebo (sem hormônio), pela retirada dos hormônios. Isso fará o tempo de seu sangramento previsível, dependendo de quantas pílulas ativas (com hormônio) forem tomadas antes de uma pausa. As pílulas anticoncepcionais são geralmente dosadas em cartelas que oferecem um "ciclo" de 28 dias, com 21 a 24 dias contendo hormônios ativos e 04 a 07 dias contendo pílulas sem hormônios ou sem tomar pílulas durante esses dias (9). Às vezes o placebo ou os dias sem pílulas acontecem depois de 84 pílulas ativas, resultando em sangramento a cada três meses (26). Algumas cartelas não têm a "pausa" no ciclo de pílulas ativas, significando que quem toma essa cartela não sangra absolutamente nada (26). Assim que você começa a tomar a pílula, ou se você toma suas pílulas de forma irregular, você pode experimentar sangramento de escape ou sangramento vaginal (9,26).

Anel vaginal e adesivo

O anel vaginal e o adesivo geralmente são dosados para administração em um ciclo de quatro semanas (26). O anel vaginal contém ambos estrogênio e progesterona e é inserido na vagina por 21 dias e depois removido por sete dias, o que estimula o sangramento menstrual. O adesivo contraceptivo também é usado por um período de 4 semanas, com um novo adesivo sendo aplicado por três semanas seguidas, seguido por uma semana de "sem adesivo", o que estimula o sangramento menstrual (26). Ambos métodos causarão hemorragia de privação a cada 28 dias (26).

Algumas pessoas também podem decidir pular qualquer sangramento menstrual ao usar contraceptivos hormonais, ao não seguir os dias "sem hormônio" e tomar as pílulas ativas, anel ou adesivo (26). Usar contraceptivos hormonais deste modo fará com que você tenha sangramento sempre que decidir dar uma pausa com tal método. O sangramento retornará quando você parar de tomar as pílulas ativas ou ao remover o anel ou adesivo (1). Sangramento vaginal ou sangramento de escape são comuns mediante o uso prolongado (27).

an image of 3 mobile screens of the Clue app

Baixe o Clue e comece a monitorar hoje seus padrões de sangramento.

  • Baixe o Clue app na App Store
  • Baixe o Clue app na Play Store

4.8

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

mais de 2M+ avaliações

Anticoncepcionais apenas de progestina (minipílula, injeção, implante, DIU hormonal)

Existem muitas variações de contraceptivos hormonais, todos contendo diferentes tipos e níveis de hormônios. Alguns tipos de contraceptivos não contêm nenhum estrogênio e apenas progestina—uma forma sintética de progesterona (28). Esses métodos incluem pílulas somente de progestina (a minipílula), injeções de progestina, implantes de progestina e DIUs hormonais (28).

Minipílula

Quando estiver tomando pílulas contraceptivas somente de progestina, você pode ter um padrão de sangramento atípico. Pílulas contraceptivas somente de progestina afetam o ciclo hormonal reprodutivo impedindo os ovários de preparar e liberar óvulos que podem ser fertilizados pelo esperma (28-30). Eles também fazem diminuir e afinar o crescimento típico do revestimento uterino (28). Quem toma a minipílula pode ter sangramento irregular, redução de sangramento ou nenhum sangramento (28).

Injeção e implante

A injeção e o implante trabalham para parar a ovulação, o que impede o ciclo hormonal (28,31). Ambos métodos podem causar alterações ou imprevisibilidade nos padrões de sangramento menstrual (28,31). O número de dias de sangramento ou sangramento de escape tendem a diminuir ao longo do tempo com o implante e a injeção, podendo resultar em nenhum sangramento, particularmente para quem toma a injeção (32-35). Todas essas mudanças são normais com essas formas contraceptivas.

DIU hormonal e seu ciclo

Quando estiver usando um DIU hormonal, você pode ter um ciclo atípico. Sua duração do ciclo e menstruação podem variar dependendo de qual DIU hormonal você tem e por quanto tempo você o teve.

A maioria das pessoas continuarão a ovular ao usar os DIUs hormonais (36-38). A ovulação é mais propícia quanto mais tempo você tenha tido seu DIU e se os DIUs que você usa contêm baixas doses de progestina (36,38,39). Padrões de sangramento durante o uso de DIU hormonal não indicam necessariamente que a ovulação ocorreu durante um ciclo—você pode não sangrar e ainda estar ovulando regularmente (36,37).

Também é comum ter um sangramento leve e irregular ou de escape, especialmente nos primeiros meses depois de haver inserido o DIU (9). O sangramento diminui com o tempo e algumas pessoas pararão de sangrar por completo com um DIU hormonal (9).

E o DIU de cobre?

O DIU de cobre não costuma afetar a duração do ciclo já que ele não é hormonal. Você notará ao longo do ciclo as mesmas flutuações de estrogênio e progesterona que já tinha quando não usava um DIU de cobre (40). Isso significa que a maioria dos seus ciclos deveria ter entre 24–38 dias de duração, o que é o intervalo médio para duração do ciclo em adultos (3). Algumas pessoas que usam o DIU de cobre podem perceber que a sua menstruação é mais pesada e mais longa, ou podem experimentar sangramento de escape fora do esperado, mas esses efeitos secundários geralmente melhoram com o tempo (9).

Baixe o Clue para monitorar a duração média do seu ciclo.

Artigo publicado originalmente em 17 de maio de 2018.

Aprenda sobre seu corpo e saúde feminina

A Steph do Clue te convida a ler nossa newsletter
Oi, eu sou a Steph! Enviaremos histórias educativas e curiosas sobre saúde feminina, além de compartilhar dicas e truques para você aproveitar o Clue app ao máximo!

Ilustração de um microscópio

Gostou dessa leitura? Ajude-nos a criar ainda mais conteúdo: contribua com nossa pesquisa científica.

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares