Foto: susi Vetter

Problemas de Saúde

Hipotireoidismo e o ciclo menstrual

por Nicole Telfer, Autora Científica
  • Compartilhar este artigo no Twitter
  • Compartilhar este artigo no Facebook
  • Compartilhar este artigo pelo WhatsApp
An image for a banner advertisement for the Ruby cup product

*Tradução: Sarah Luisa Santos

O que você precisa saber

  • A glândula tireoide está envolvida no regulamento de muitas funções do corpo, como metabolismo, crescimento e temperatura corporal
  • Pessoas com hipotireoidismo não produzem hormônios da tireoide o suficiente
  • Alguns sintomas comuns de hipotireoidismo são: cansaço, aumento de peso, pele seca e ciclos menstruais irregulares
  • Hipotireoidismo é geralmente tratado com uma medicação que é a versão sintética do hormônio da tireoide.

O que é hipotireoidismo?

A glândula tiroide é um órgão pequeno e produz hormônios, localizado na frente do pescoço. A glândula tireoide regula muitas das funções corporais, incluindo o metabolismo, crescimento, batimento cardíaco e temperatura corporal.

Para alguém com hipotireoidismo, a glândula tiroide não produz hormônios da tiroide suficientes. Isso causa uma desaceleração de diversas funções do corpo, e pode levar a mudanças no ciclo menstrual (1). Hipotireoidismo afeta 2 em cada 100 pessoas, sendo mulheres mais afetadas que homens (2-4).

Sintomas: o que você vai notar se tiver hipotireoidismo

Por um tempo, algumas pessoas sentem que apenas têm algo estranho com o corpo delas. Depois, os sintomas se tornam mais claros. Os sintomas comuns de hipotireoidismo são:

  • Sentimento de cansaço
  • Aumento de peso
  • Ciclo menstrual irregular: ciclos longos ou ausentes
  • Fluxo menstrual intenso
  • Sensibilidade ao frio
  • Inchaço e edema
  • Pele e cabelos secos
  • Cabelos ralos na cabeça
  • Constipação
  • Dificuldade em engravidar ou se manter grávida
  • Bócio (crescimento anormal/crescimento da tiroide) (1,5-8)

Causas: porque acontece o hipotireoidismo

A glândula tireoide produz dois hormônios principais: tiroxina (T4) e triiodotironina (T3). Quando alguém tem hipotireoidismo, sua glândula tireoide não produz o suficiente destes hormônios. Isso pode acontecer por diversas razões:

Deficiência de Iodo

Em alguns lugares onde existe má nutrição ou deficiência de iodo no solo, as pessoas não consomem iodo suficiente (um mineral natural) em suas dietas. Sem iodo suficiente na dieta, as pessoas podem desenvolver uma deficiência de iodo. Isso pode causar hipotireoidismo e desenvolver bócio (aumento e inchaço da glândula tireoide)(3,9).

Doenças autoimunes

Em lugares onde as pessoas consomem iodo suficiente em suas dietas, hipotireoidismo é mais frequentemente causado por uma doença autoimune chamada Doença de Hashimoto (10). Essa doença faz com que a glândula tireoide dessa pessoa ataque o seu sistema imunológico, o que impede que ele funcione corretamente (10). Não é claro o porquê disso acontecer.

Dano físico ou médico da tireoide

Hipotireoidismo pode também se desenvolver quando a tireoide está danificada fisicamente. Isso pode acontecer quando alguém recebe tratamento para hipertireoidismo ou teve alguma cirurgia ou radiação na área da tireoide (7). Medicamentos como lítio podem também causar hipotireoidismo como efeito colateral. (11).

Gravidez

Gravidez pode causar uma disfunção chamada tireoidite pós-parto. Tireoidite pós-parto geralmente começa de dois a seis meses depois do parto, e geralmente dura até 1 ano (12). Os sintomas de tireoidite pós-parto são geralmente suaves e podem incluir hipertireoidismo (uma tireoide hiperativa) e/ou sintomas de hipotireoidismo. Tireoidite pós-parto afeta em torno de 7 em cada 100 gravidezes, e deve ser cuidada com a ajuda de assistência médica (12). Cerca de 1 em cada 5 pessoas com tireoidite pós-parto desenvolvem hipotireoidismo permanente (4,13).

Como o hipotireoidismo é diagnosticado

Hipotireoidismo pode ser diagnosticado de duas formas: hipotireoidismo subclínico e hipotireoidismo.

Pessoas com hipotireoidismo subclínico geralmente não tem nenhum dos sintomas típicos. Nos exames de sangue seus hormônios da tireoide (T4) aparecem com uma variação normal (20). Hipotireoidismo subclínico é diagnosticado através de testes de laboratório, que indicam que o hormônio estimulante da tireoide (THS – o hormônio que conecta o cérebro a tireoide) está acima do normal (20). Hipotireoidismo subclínico é mais comum do que o hipotireoidismo típico (14,21). Algumas pessoas com hipotireoidismo subclínico podem desenvolver hipotireoidismo.

Em comparação, pessoas diagnosticadas com hipotireoidismo têm o mal funcionamento da glândula tireoide e geralmente têm os típicos sintomas. Os resultados dos exames de sangue de alguém com hipotireoidismo tem níveis baixos de hormônios da tireoide (T4) e altos níveis do hormônio estimulante da tireoide (THS) (22).

A assistência médica provavelmente vai perguntar sobre os sintomas e o histórico familiar médico e menstrual. Em especial, o que se quer saber é sobre possíveis abortos espontâneos e dificuldades em engravidar. Eles provavelmente vão fazer um exame físico. Se a assistência médica pensar que existe a possibilidade de você ter uma disfunção da tireoide, eles vão fazer alguns exames de sangue para medir os níveis dos hormônios da tireoide. Em alguns casos, um ultrassom da glândula da tireoide também será realizado.

Por que verificar se você tem hipotireoidismo?

Disfunções da tiroide são curáveis uma vez que você recebeu o diagnóstico, mas pode ser difícil identificar seus sintomas. Nos EUA, é estimado que 1 em cada 20 pessoas têm alguma forma de hipotireoidismo (14). Hipotireoidismo é mais comum entre as mulheres do que nos homens, e sua predominância aumenta com a idade (14).

Se deixada sem tratamento, os sintomas de hipotireoidismo (como aumento de peso e cansaço, por exemplo) podem impactar na qualidade de vida de uma pessoa. Eles também pode levar a complicações como baixa função cardíaca, abortos espontâneos frequentes, infertilidade, e deficiência no nascimento durante a gravidez (7,8,15,16). Hipotireoidismo sem tratamento pode causar uma queda no processamento mental, bócio (aumento da tireoide) e em casos raros, perda da consciência ou coma (17,18).

A gravidez pode alterar necessidades de medicação para pessoas com disfunções da tireoide. É importante conversar com profissionais de saúde se você tem uma disfunção da tireoide e se você está gravida ou planeja uma gravidez (4,19).

Tratamento do hipotireoidismo

Disfunções da tireoide são geralmente curáveis ou tratáveis com medicação para equilibrar os níveis dos hormônios da tireoide no corpo. Na maioria dos casos, o tratamento para disfunções na tireoide é para a o resto da vida.

Medicação: hipotireodismo é tratado com uma medicação que substitui hormônios. Uma versão sintética do hormônio tiroxina (T4) é geralmente prescrita (10).

Estilo de vida/tratamentos alternativos: aumentar o consumo de iodo através de sal iodado é fácil e acessível além de uma forma barata de prevenir a deficiência de iodo (23).

Ainda não é claro se existe uma conexão entre alguns alimentos, ervas ou vitaminas e seu impacto na função da tireoide (10,24). É necessário mais pesquisa sobre isso.

Se você acha que tem alguma disfunção na tireoide, observar os seus ciclos e os sintomas com o app Clue pode fornecer informações que vão ajudar a sua assistência médica a diagnosticar a doença e desenvolver um tratamento.

O tratamento quando feito cedo pode reduzir o risco de complicações sérias como problemas no coração, abortos espontâneos frequentes, infertilidade, e deficiência do feto na gravidez (15,7,8,16).

O que monitorar

Se você suspeita que tem hipotireoidismo, repare nos seus sintomas.

Veja baixo o que recomendamos que você observe, acompanhe e registrem em seu Clue app.

Acompanhamento essencial

  • Padrões de sangramentos

Acompanhamento complementar

  • Peso
  • Volume de sangue
  • Emoções
  • Energia
  • Mente
  • Fezes
  • Cabelo
  • Pele

Para começar a acompanhar e monitorar sua saúde e seu ciclo diariamente, baixe o Clue app agora.

An image for a square advertisement for the Ruby cup product
An illustration of a heart

Gostou dessa leitura? Ajude-nos a criar ainda mais conteúdo: contribua com nossa pesquisa científica. Contribua agora

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares