Diagrama da molécula de testosterona e um círculo mostrando o ciclo menstrual com uma estrela indicando o dia da ovulação.

Ilustração: Marta Pucci

LGBTQIA+

Como a terapia com testosterona afeta a fertilidade

Primeiro ponto: não é um anticoncepcional

por Nicole Telfer, Ex-Autora Científica; e Jen Bell, Ex-Autora do Clue
  • Compartilhar este artigo no Twitter
  • Compartilhar este artigo no Facebook
  • Compartilhar este artigo pelo WhatsApp

*Tradução: Juliana Secchi

Coisas importantes a saber:

  • A testosterona não é uma forma de contraceptivo

  • Algumas pessoas (incluindo alguns profissionais de saúde) erroneamente acreditam que tomar testosterona é uma forma de contracepção

  • A testosterona pode causar defeitos congênitos ao feto

Muitos homens transgêneros e pessoas não-binárias ou que não pertencem ao gênero AFAB (pessoas designadas mulheres ao nascimento) tomam testosterona como uma forma de terapia de afirmação de gênero.

Algumas pessoas acreditam que, se você toma testosterona, não pode engravidar, mas isso não é verdade. A testosterona não é uma forma de anticoncepcional.

Imagem de três telas mostrando o aplicativo Clue

O Clue usa linguagem neutra de gênero para ajudar você a monitorar sua saúde menstrual

  • Baixe o Clue app na App Store
  • Baixe o Clue app na Play Store

4.8

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

mais de 2M+ avaliações

Ainda não sabemos muito sobre as complexas relações hormonais que ocorrem nos corpos das pessoas AFAB que tomam testosterona. Relativamente poucos homens trans engravidaram e deram a luz. A ciência por trás dos tratamentos e cirurgias hormonais para afirmação de gênero é bastante recente, então ainda há muito a aprender.

Aqui trazemos o conhecimento mais atualizado sobre a terapia com testosterona e a possibilidade de engravidar. A maior parte vem de estudos menores, pesquisas e opiniões de especialistas nas áreas de saúde reprodutiva e trans. Pesquisas científicas em maior escala se fazem necessárias.

O que saber antes de iniciar terapia de reposição hormonal com testosterona

A transição é uma decisão grande e emocionante que te afetará pelo resto de sua vida. Antes de optar pela transição hormonal ou cirúrgica, você pode considerar opções para preservação da fertilidade, como congelamento de óvulos e embriões (1,2). Se você deseja manter a opção de ter filhos geneticamente vinculados a você no futuro, mas não tem certeza se quer passar por uma gestação, converse com médicos(as) e profissionais de saúde sobre suas opções de fertilidade.

Se você já começou a usar testosterona e gostaria de preservar sua fertilidade, o congelamento de ovos ou embriões pode ser uma opção. Um estudo sueco com um grupo pequeno de homens trans submetidos a terapia de preservação de fertilidade para colher e congelar seus gametas (ovos) demonstrou que isso é possível (3). Sete dos homens estavam tomando testosterona antes de iniciarem a terapia de preservação da fertilidade. Eles tiveram que parar de tomar testosterona, esperar a menstruação reiniciar e iniciar tratamentos hormonais adicionais (3). Embora essa terapia de preservação da fertilidade tenha sido capaz de coletar e congelar óvulos, as alterações foram angustiantes para alguns dos participantes que consideraram a volta da menstruação, exames ginecológicos e a nudez particularmente difíceis e estressantes (3).

Testosterona e gravidez

A testosterona não é um método contraceptivo (4,5). Mesmo as pessoas AFAB que tomam testosterona já há um tempo e que não têm mais menstruação ainda podem engravidar.

Em uma pesquisa com 41 homens trans que engravidaram e deram à luz, 61% dos participantes haviam usado testosterona antes de engravidar (6). Três quartos dessas gestações foram planejadas, o que significa que um quarto não foram planejadas (6). Isso ressalta o fato de que tomar testosterona não é um tipo de anticoncepcional. Homens trans e pessoas AFAB não binárias que não fizeram histerectomia (remoção do útero) ou ooforectomia (remoção dos ovários) devem continuar a usar métodos contraceptivos se estiverem mantendo relações sexuais com penetração de pênis na vagina e quiserem evitar a gravidez.

Dos homens trans usando testosterona que planejaram a gravidez, uma vez que pararam de tomar testosterona, 20% engravidaram antes do retorno da menstruação, enquanto o restante recuperou a menstruação nos 6 meses seguintes (6). A maioria dos homens trans (76%) recuperou a menstruação dentro de três meses após interromper a testosterona (6). O uso prévio de testosterona não afetou suas chances de ter uma gravidez ou parto saudável em comparação com uma mulher cisgênero (não trans) (6). A maioria dos homens trans que usou testosterona anteriormente gestou dentro de seis meses, embora 44% tenham usado intervenções médicas, como medicamentos para fertilidade e tecnologias de reprodução assistida (6).

Outro estudo analisou a estrutura dos ovários de 40 homens trans que estavam tomando testosterona em média há mais de um ano (7). Em 35 dos homens trans estudados, seus óvulos estavam passando por um "processo de maturação normal" em preparação para uma possível ovulação. Esses resultados foram semelhantes a um estudo anterior com mulheres cisgênero (7,8). Isso mostra que tomar testosterona não interrompe o processo de desenvolvimento folicular, que faz parte da preparação do corpo para a ovulação.

Testosterona e gravidez: o que ainda não sabemos

É importante agora fazer uma pausa e pensar nas pessoas que não foram incluídas neste questionário—tais como homens trans que estavam tomando testosterona, queriam e tentaram engravidar, mas não conseguiram. O estudo anterior se concentra apenas nas pessoas que realmente engravidaram. Não sabemos qual a porcentagem de pessoas que não foram capazes de engravidar após a interrupção da terapia com testosterona, ou se isso difere das taxas de infertilidade na população feminina cisgênero. Alguns pesquisadores alertam que algumas pessoas podem não ser capazes de retomar a ovulação depois de interromper o uso de testosterona e que isso pode depender da idade e do tempo em que vinham usando testosterona (1). Mais pesquisa se faz necessária.

O uso de contraceptivos sob terapia de testosterona

Se você estiver tomando testosterona e não tiver feito uma histerectomia (remoção do útero) ou ooforectomia (remoção dos ovários), precisará usar contraceptivos se estiver fazendo sexo por penetração do pênis na vagina.

O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas recomenda que homens trans com potencial para engravidar recebam todas as formas possíveis de contracepção, assim como as mulheres cisgênero (4). Isso significa que os homens trans podem fazer uso de anticoncepcionais hormonal, mesmo que estejam tomando testosterona ao mesmo tempo. Não existem interações conhecidas ou contraindicações (4).

Segundo o CAOG, muitos pacientes transmasculinos optaram por usar métodos contraceptivos exclusivos de progestina, como o DIU hormonal, a injeção contraceptiva ou o implante de contraceptivo (4). Menstruações podem ser um causador de disforia de gênero para algumas pessoas, e a testosterona nem sempre faz com que a menstruação pare imediatamente. O DIU de cobre também pode ser uma opção para pessoas trans usando testosterona que desejam evitar hormônios adicionais, mas só é recomendado para pessoas cujas menstruações cessaram (4).

Em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos em 2016 com homens trans, 3 em 5 relataram usar contraceptivos, fosse atualmente ou no passado, sendo os preservativos a forma mais popular, seguida pela pílula anticoncepcional em segundo lugar (9).

A ideia de que a testosterona é um contraceptivo é comum, com 16% dos homens trans no estudo relatando que usaram testosterona como contraceptivo e 5,5% deles tiveram recomendação da testosterona como contraceptivo pelo seu próprio médico (9).

Tentando engravidar após terapia com testosterona

Se você estiver tomando testosterona e quiser engravidar, é importante conversar com seu médico sobre a interrupção da testosterona. A testosterona é na verdade teratogênica (o que significa que pode causar anomalias de nascimento) ao feto. Se você estiver tomando testosterona e acha que pode ter engravidado, converse com seu(ua) médico(a) o mais rápido possível. Evite iniciar a testosterona se a gravidez for positiva, pois isso prejudicará o feto em desenvolvimento (5).

Realizando tratamento junto a um médico, pode ser necessário algum tempo para restaurar a ovulação e a menstruação aos padrões normais, e intervenções médicas adicionais podem ser necessárias quando se deseja uma gravidez (6).

Embora sejam necessárias mais pesquisas, sabemos que é possível engravidar enquanto estiver tomando testosterona. Se você quer evitar uma gravidez ou está tentando engravidar, recomendamos que converse sobre suas necessidades com seu médico e planeje de forma adequada.

Publicamos informações sobre a testosterona e seu ciclo menstrual e também algumas experiências de pessoas trans e não binárias usando anticoncepcionais. Elliott Cennetoglu compartilhou seus pensamentos sobre a gravidez quando você é trans, assim como Bennett Kaspar-Williams, que também compartilhou a história de sua gravidez.

An illustration of a hand pressing a button

Let's support one another.

and champion menstrual health together. Make an impact today in one click.

An illustration of a hand pressing a button

Imagem de uma pessoa grávida com as mãos na barriga

LGBTQIA+

Como é a gravidez para uma pessoa transmasculina

Muita gente masculina tem engravidado e dado à luz desde que houve gente no mundo.

Artigos mais populares