Foto: Shari Mahrdt

Cólica e dor

Tudo sobre cólicas menstruais: por que elas acontecem e como aliviá-las

Veja o que as pesquisas científicas dizem sobre as cólicas menstruais.

por Anna Druet, Former Science and Education Manager; e Clár McWeeney, Former Content Manager at Clue
  • Compartilhar este artigo no Twitter
  • Compartilhar este artigo no Facebook
  • Compartilhar este artigo pelo WhatsApp

*Tradução: Mariana Rezende

O que você precisa saber:

  • As cólicas menstruais provavelmente são causadas por um excesso de prostaglandinas — compostos liberados pelo revestimento uterino durante o processo de preparação para a eliminação. Elas são uma parte necessária do processo, mas em demasia, causam dor.

  • Para aliviar a dor, aplique uma compressa quente no local e tome um medicamento anti-inflamatório comum, como ibuprofeno.

  • A título de precaução, considere tomar um suplemento de magnésio. O mineral pode ser eficaz na redução das cólicas menstruais a longo prazo, diminuindo a necessidade do uso de medicamentos para a dor.

Você certamente tem familiaridade com as cólicas menstruais: cólicas uterinas que acontecem na época da menstruação e que geralmente são sentidas no abdômen, nas costas ou nas coxas. Você também pode sentir dores a meio do ciclo durante a ovulação.

Cólicas menstruais são muito comuns: no Clue app, cerca de 3 em cada 4 pessoas relatam ter cólicas pouco antes ou durante a menstruação.

Uma mão segurando um celular com o Clue app aberto

Usar o Clue app te ajuda a acompanhar os sintomas do ciclo dia a dia.

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

4.8

mais de 1M avaliações

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

4.8

mais de 1M avaliações

A maioria das pessoas nota as primeiras cólicas menstruais cerca de 6 meses a um ano depois da primeira menstruação (1). No início, elas podem ser irregulares e depois podem acontecer em todos ou na maioria dos ciclos (na medida em que a ovulação acontece com mais frequência).

As pessoas normalmente sentem suas cólicas imediatamente antes ou no momento em que o sangramento começa em cada ciclo. Elas geralmente duram cerca de 1 a 3 dias. Podem começar a sentir uma dor forte e que melhora com o passar das horas, ou vai e volta aleatoriamente. As cólicas podem ser quase imperceptíveis, bastante dolorosas ou severas (2). De cada 10 pessoas, pelo menos uma experimenta níveis de dor que podem afetar suas atividades diárias por 1 a 3 dias em cada ciclo. A dor moderada a intensa é a mais comum em 2 a 3 anos depois da primeira menstruação (menarca) e geralmente melhora depois dos 20 anos, ou após a gestação e o parto (2).

As cólicas menstruais mais graves são geralmente associadas a condições médicas como endometriose ou adenomiose. A dor feminina é frequentemente negligenciada e/ou subtratada em comparação com a apresentação da dor masculina (3). É comum que uma pessoa que sofre de dor menstrual grave não fale sobre isso com seu médico (4). No caso das cólicas menstruais, é importante se posicionar e comunicar seus níveis de dor a um profissional de saúde. Acompanhar a frequência da sua dor com um aplicativo, como o Clue, pode ser útil.

Ter algumas noções básicas sobre a dor relacionada ao ciclo menstrual pode ajudar você a entender se a sua deve ser abordada com um profissional de saúde.

Então, o que exatamente causa e alivia cólicas?

O que causam as cólicas menstruais?

Observação: As cólicas menstruais podem ser “primárias” ou “secundárias”. A dismenorréia primária (a palavra clínica para menstruações dolorosas) é a dor causada pelo própria menstruação. Dismenorréia secundária é a dor da menstruação com outra causa raiz, como uma condição de saúde como a endometriose. Este artigo aborda a dismenorréia primária.

Cólicas menstruais são provavelmente causadas por um excesso de prostaglandinas – compostos semelhantes a hormônios que são liberados do revestimento uterino (o endométrio) durante a preparação para a eliminação. As prostaglandinas ajudam o útero a contrair e relaxar, de modo que o endométrio possa descamar e ser eliminado através da menstruação. Elas são uma parte necessária do processo, mas em excesso, causam dor se o útero se contrair fortemente. O fluxo sanguíneo é reduzido e o suprimento de oxigênio para o tecido muscular do útero diminui, causando dor (5).

Ainda se desconhece o que predispõe algumas pessoas e não outras à menstruação dolorosa. A inflamação pode desempenhar um papel. A produção de prostaglandinas está relacionada à inflamação e o tecido inflamado tende a produzir mais prostaglandinas (6). Pessoas que sentem mais dor menstrual também demonstraram ter níveis mais altos de marcadores inflamatórios no sangue, mesmo após ajuste para fatores relacionados à inflamação crônica, como IMC, tabagismo e consumo de álcool (7). A inflamação também tem sido associada ao agravamento de outros sintomas pré-menstruais, incluindo alterações do humor.

É mais provável que as pessoas tenham menstruações dolorosas se tiverem sangramentos intensos ou de longa duração, se começaram a menstruar precocemente, ou se seus ciclos são irregulares (8, 9). Outros fatores que têm sido associados a menstruações dolorosas incluem tabagismo, baixo peso, idade inferior a 30 anos, infecção pélvica e esterilização (8).

Uma pesquisa feita pelo Clue em parceria com a Universidade de Oxford também descobriu que os usuários do Clue com infecções sexualmente transmissíveis (DSTs) não diagnosticadas tinham maior probabilidade de apresentar certos sintomas pré-menstruais, incluindo cólicas, do que aqueles sem DSTs (10).

Como faço para aliviar as cólicas menstruais?

Se seus suas menstruações forem intensas, irregulares ou extremamente dolorosas, tentar encontrar e tratar a causa das irregularidades pode ser importante para sua saúde. Outras abordagens para aliviar as cólicas, como métodos contraceptivos hormonais, agem impedindo o acúmulo e a descamação do endométrio.

Todos os métodos de alívio das cólicas fazem pelo menos uma das coisas a seguir:

  • Reduzir inflamação

  • Limitar a produção de prostaglandina

  • Bloquear a dor

  • Aumentar fluxo de sangue uterino, ou

  • Tratar uma doença subjacente, como a endometriose

Os métodos que você pode experimentar incluem:

  • Medicamentos

  • Calor

  • Estimulação do nervo transcutâneo (TENS)

  • Mudanças na alimentação

  • Suplementação

  • Alívio do stress

  • Parar de fumar

  • Atividade física

  • Sexo

  • Autocuidado

Medicamentos para cólicas menstruais

Os analgésicos anti-inflamatórios são uma maneira eficaz de obter alívio da dor menstrual (11). Os AINEs (anti-inflamatórios não esteróides), como o ibuprofeno, inibem a produção de prostaglandinas e a inflamação. Outros tipos de analgésicos de venda livre podem reduzir a dor, mas tendem a ser menos eficazes no tratamento de cólicas menstruais (12). Os AINEs também são usados ​​na redução do sangramento intenso (13).

Algumas pessoas podem optar por usar contraceptivos hormonais para aliviar e prevenir cólicas menstruais, como a pílula ou o DIU hormonal. Os hormônios sintéticos nesses métodos bloqueiam a ovulação e/ou previnem o aumento e a descamação típicos da parede uterina. Isso reduz ou elimina o acúmulo associado de prostaglandinas, contrações musculares e cólicas (14).

Calor para cólicas menstruais

Nunca desmereça a bolsa de água quente que sua avó usava. O calor é um método simples, mas testado e comprovado, de aliviar a dor das cólicas menstruais, além de ser barato e não ter efeitos colaterais. O calor tem se mostrado tão eficaz quanto os AINEs e a aspirina para a cólica menstrual (15-17).

Se você seguir à risca o método de um dos estudos sobre o alívio de calor e cólicas, experimente a “terapia térmica tópica contínua de grau reduzido” usando um retalho aquecido ou bolsa de água de água quente.

Estimulação do nervo transcutâneo e cólicas menstruais

A Estimulação nervosa transcutânea (TENS) é um tratamento aprovado para cólicas menstruais. Ele consiste de um pequeno aparelho que fornece corrente elétrica de baixa voltagem à pele, possivelmente aumentando o limiar de dor e estimulando a liberação de endorfinas naturais do corpo (5).

O TENS também pode ser combinado com outros métodos, como calor e medicação.

Alimentação e cólicas menstruais

Quanto mais se aprende sobre a relação entre a inflamação e cólicas menstruais, mais podemos ver recomendações alimentares para a prevenção de cólicas. Até o momento, os dados são limitados, mas promissores, e não há recomendações médicas formais.

Um ensaio clínico de 33 mulheres com dores menstruais descobriu que as mulheres tinham menos dores quando seguiam uma dieta vegetariana com baixo teor de gordura do que quando tomavam uma pílula placebo de suplemento alimentar (18).

Uma pesquisa com 127 estudantes descobriu que aqueles que relataram consumir 3 a 4 porções de laticínios tiveram menos dores menstruais do que aqueles que não consumiram laticínios. Isto é possivelmente devido à ingestão de cálcio, e talvez também de vitamina D, mas mais pesquisas são necessárias – um teste com vitamina D descobriu que doses muito altas eram necessárias para fazer a diferença, que alguns (mas não todos) profissionais de saúde considerariam inseguros (19-21).

A deficiência de magnésio, que está associada à ansiedade e ao stress, também tem sido associada a cólicas menstruais mais intensas (22).

Suplementos para cólicas menstruais

A evidência do uso de suplementos para tratar cólicas menstruais não está bem estabelecida, mas você pode encontrar algo que funcione para você, caso tenha disposição para experimentar. Consulte um profissional treinado nutricionalmente antes de tomar um suplemento – como qualquer medicamento, eles podem ter efeitos colaterais e interferir nos níveis de outros nutrientes no corpo. Aqui estão os principais suplementos para dor no período:

O gengibre, ao que tudo indica, pode ser tão eficaz quanto analgésicos comuns. Duas revisões sistemáticas sobre o uso gengibre para dor menstrual descobriram que a raiz foi provavelmente mais eficaz do que um placebo para reduzir a dor (23, 24). Ensaios clínicos com mais de 100 estudantes com dor menstrual moderada a intensa constataram que a dor foi similarmente reduzida em estudantes que consumiam gengibre, como os estudantes que tomam os antiinflamatórios não esteróides, como o ibuprofeno, ou ácido mefenâmico (25, 26). Um grupo tomou 250 mg de cápsulas do extrato de gengibre zintoma, desde o início da menstruação, e depois a cada 6 horas, até que a dor aliviasse. O outro grupo tomou 1000 mg de “pó de rizoma de gengibre” diariamente (dividido por 4x por dia) durante os primeiros três dias da menstruação.

O magnésio (e a deficiência de magnésio) pode desempenhar um papel importante para algumas pessoas no caso de dismenorreia (27). Uma revisão sistemática que incluiu três estudos sobre o magnésio constatou que o mineral foi eficaz na redução da dor menstrual melhor do que um placebo e pode ser útil para limitar a necessidade de medicação para a dor (28). O magnésio provoca poucos efeitos colaterais, mas pode causar diarreias, então você talvez precise de recomendação médica. Os três estudos usaram diferentes doses de magnésio, portanto, talvez seja importante conversar com um profissional de saúde para obter uma recomendação – nossa colaboradora Lara Briden recomenda começar com uma dose diária de 300 mg.

A suplementação de zinco pode ser eficaz por um motivo semelhante a do magnésio, mas ainda precisa-se de mais pesquisas (29-32). Em um ensaio clínico aleatório com 120 mulheres, a duração e a gravidade das cólicas menstruais foram significativamente melhoradas nas que tomaram zinco, em comparação com as que receberam placebo (32).

A vitamina B1 demonstrou ser eficaz na redução das cólicas. Um grande estudo descobriu que as pessoas que tomavam 100 mg por dia tinham menos dores do que as que tomavam placebo (35).

Outros suplementos alimentares também foram pesquisados ​​para determinar um possível papel no alívio de cólicas, como vitamina E, B6 e altas doses de vitamina D, além de agnus castus e mais de 3 meses de uso de óleo de peixe (1, 20, 34). Os resultados até agora são promissores ou mistos.

Estresse e cólicas menstruais

O alívio do estresse pode ajudar a amenizar as cólicas menstruais em algumas pessoas. Pesquisas preliminares descobriram que pessoas com altos níveis de estresse têm duas vezes mais probabilidade de relatarem dores menstruais (35). O estresse durante a fase folicular (a primeira parte do ciclo) pode ter maior probabilidade de causar uma menstruação dolorosa do que o stress na fase lútea (a segunda parte do ciclo, depois da ovulação) (35).

Tabagismo e cólicas menstruais

Pessoas que fumam têm um risco maior de sofrer com cólicas menstruais dolorosas (36). O risco aumenta com o tempo, caso a pessoa continue a fumar. O fumo passivo também mostrou aumentar as cólicas menstruais (37).

Atividades físicas e cólicas menstruais

O exercício físico pode ajudar a aliviar as cólicas, pelo menos em parte, aumentando o fluxo sanguíneo para o abdômen. Uma meta-análise recente de 11 estudos descobriu que o exercício físico, incluindo exercícios aeróbicos, alongamentos e ioga, provavelmente ajuda a diminuir a intensidade da dor menstrual e também pode encurtar sua duração (38). O exercício físico também pode ajudar na redução do estresse, o que pode contribuir para diminuir a dor. Se estiver praticando ioga, você pode tentar fazer posturas que esticam e estimulam o abdômen, como as posturas de cobra, gato e peixe (39).

Sexo e cólicas menstruais

Existem evidências anedóticas de que o sexo e orgasmos podem ajudar no alívio das cólicas menstruais.

Participantes de pesquisas realizadas pelos pioneiros da pesquisa sexual, Masters e Johnson, relataram o uso da masturbação para aliviar suas cólicas, e uma pesquisa com mulheres americanas descobriu que 1 em cada 10 relatou o mesmo (40). Se o exercício físico e os aparelhos TENS trabalham em parte liberando endorfinas e aumentando o fluxo sanguíneo, é plausível que o sexo possa fazer o mesmo. Vantagens adicionais ao sexo durante a menstruação incluem menor chance de gravidez e lubrificação mais natural (caso você não esteja usando um absorvente interno).

Autocuidado e cólicas menstruais

Falar sobre suas cólicas com os pais ou responsáveis, amigos ou profissionais de saúde parece trazer muito conforto para as pessoas. Outras estratégias que as pessoas usam são ficar na cama, assistir televisão e curtir outras distrações, como alimentos especiais, bebidas e exercícios físicos (41). Pedir a amigos ou a um(a) parceiro(a) de confiança uma massagem abdominal ou nas costas com um óleo essencial (lavanda, talvez?) também pode ser útil, além de bastante agradável (42).

Que tipo de dor menstrual é “normal”? Quando devo consultar um profissional de saúde sobre minhas cólicas?

Se suas cólicas forem tão dolorosas que não são amenizadas por um analgésico comum e se elas afetarem sua capacidade de trabalhar, estudar ou fazer qualquer outra atividade cotidiana, é melhor conversar com um profissional de saúde. Você também deve consultar um profissional se sua cólica for súbita ou excepcionalmente intensa, ou durar mais do que alguns dias.

Cólicas menstruais intensas ou dor pélvica crônica podem ser um sintoma de condições de saúde como endometriose ou adenomiose. A dor sentida por pessoas com endometriose é diferente da cólica menstrual normal. Saber se posicionar sobre a própria dor perante médicos pode ser difícil, mas ajudará você a sentir validação e a receber o tratamento que precisa.

Artigo originalmente publicado em 18 de março de 2018.

An illustration of a heart

Gostou dessa leitura? Ajude-nos a criar ainda mais conteúdo: contribua com nossa pesquisa científica. Contribua agora

Contribua agora

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares