An illustration of a woman swimming through a large pool with an IUD, condom, and the withdrawal method.

Ilustração por Marta Pucci

Contraceptivos

Conheça todas as opções de contracepção não hormonal

por Kaye Smith PhD, Autora Científica Revisado por Maegan Boutot, Ex-Autora Científica
  • Compartilhar este artigo no Twitter
  • Compartilhar este artigo no Facebook
  • Compartilhar este artigo pelo WhatsApp
An image for a banner advertisement for the Ruby cup product

*Tradução: Mariana Rezende

Coisas importantes a saber:

  • Há uma variedade de opções não hormonais que variam em custo, eficácia e duração

  • Os preservativos são o único método contraceptivo que protege contra a gravidez e as ISTs (infecções sexualmente transmissíveis)

  • Não existe um método contraceptivo perfeito: o importante é aprender sobre as diferentes opções e encontrar o método que funciona melhor para você.

Em 1960, o primeiro contraceptivo hormonal, o Enovid, foi aprovado pela FDA e passou a ser conhecido simplesmente como "a pílula". Foi um avanço para os direitos reprodutivos das mulheres e considerado como o primeiro "medicamento para o estilo de vida". Quando completou 40 anos, a pílula era usada por mais de 200 milhões de mulheres em todo o mundo (1).

Atualmente, mais de 60% das mulheres em idade reprodutiva em todo o mundo usam alguma forma de contracepção (2). Nos EUA, a pílula é o método contraceptivo hormonal mais utilizado (3).

Por que usar contraceptivos não hormonais?

Apesar de sua popularidade, os contraceptivos hormonais têm alguns efeitos colaterais e riscos indesejáveis. Está associado a uma maior incidência de câncer de mama, coágulos sanguíneos e derrame.

As pessoas também relatam alterações no humor, possível diminuição da libido e aumento do risco de problemas de dor durante as relações sexuais ao usar a pílula, embora os estudos não concordem se a pílula aumenta esses problemas (4-7). Esses efeitos colaterais levaram algumas pessoas a procurar alternativas sem hormônios.

Tipos de contraceptivos não hormonais

Vamos nos aprofundar em todas as opções, que incluem:

  • Sexo sem penetração e estimulação externa

  • Métodos de barreira

  • Métodos de consciência da fertilidade/planejamento familiar natural

  • Retirada (coito interrompido)

  • DIUs de cobre (dispositivos intrauterinos)

  • Esterilização

  • Amenorreia lactacional (a falta de menstruação durante a amamentação)

Eficácia dos métodos contraceptivos não hormonais

Sexo sem penetração e estimulação externa

O sexo sem penetração e estímulos externos se refere a uma ampla gama de atividades sexuais, incluindo beijar, abraçar, masturbação (individual ou com outra pessoal), se esfregar, assistir pornografia com outra pessoa e carícias nos seios.

Alguns educadores sexuais definem o sexo sem penetração estritamente como nenhuma penetração genital ou troca de fluidos corporais (8-9). Outros educadores sexuais são mais flexíveis em sua definição e limitam a ideia ao sexo sem pênis-vagina, mas permitem o sexo oral ou anal (10).

Um dos maiores problemas do sexo heterossexual é o fato de que "sexo" é resumido a relações sexuais vaginais, o que pode não proporcionar orgasmos a muitas mulheres. Em um estudo dos EUA com 1.055 mulheres, somente 18,4% conseguiam atingir um orgasmo em relações sexuais isoladas, 36,6% precisavam de estímulo clitoriano para ter um orgasmo durante o sexo e outras 36% sentia que a penetração aumentava seu prazer (11).

O sexo sem penetração e estimulações externas não são exclusivos para adolescentes – eles têm o potencial de ser altamente prazeroso para pessoas de todas as idades com diversos graus de experiência.

Qual é a eficácia do sexo sem penetração na prevenção da gravidez?

O sexo sem penetração e estimulações externas não apenas eliminam o risco de gravidez e reduzem o risco de ISTs (se o contato com fluidos corporais for evitado), como também podem ter uma probabilidade maior de levar ao orgasmo feminino do que a penetração isolada.

Uma mão segurando um celular com o Clue app aberto

Baixe o Clue agora e registre seu apetite sexual, entre outros sintomas e emoções

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

4.8

mais de 2M+ avaliações

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

4.8

mais de 2M+ avaliações

Camisinhas externas "masculinas"

As camisinhas estão entre as formas mais antigas de contracepção. Os antigos egípcios criaram uma espécie rudimentar de preservativos para cobrir o pênis. No século XVI, preservativos de linho eram usados para prevenir a sífilis. As camisinhas feitas de intestinos de animais se tornaram populares no século XVIII. Hoje em dia, as camisinhas estão disponíveis em uma ampla variedade de estilos, formas e cores (12).

Qual a eficácia dos preservativos externos na prevenção da gravidez?

Com o uso perfeito, 2 em cada 100 mulheres engravidam em um ano. Com o uso típico, 13 em cada 100 mulheres engravidam (13)

Tipos de preservativos

  • Látex: a maioria das camisinhas é feita de látex. No entanto, você não deve usar lubrificantes à base de óleo com preservativos de látex; apenas lubrificantes à base de água ou silicone são adequados.

  • Pele de cordeiro: este material natural não protege contra ISTs devido à presença de poros minúsculos que podem permitir a transmissão de infecções virais. Os preservativos de pele de cordeiro podem ser usados com lubrificantes à base de água, óleo ou silicone.

  • Poliuretano e sintético: mais durável que o látex e, ao contrário do látex, pode ser usado com lubrificantes à base de óleo.

Camisinha interna "feminina"

O preservativo interno ou "feminino" é feito de poliuretano ou nitrilo e inserido na vagina ou ânus durante a relação sexual. Ele vem equipado com um anel em cada extremidade do preservativo para mantê-lo no lugar e impedir que ele se solte na vagina.

Qual a eficácia dos preservativos internos na prevenção da gravidez?

O preservativo interno (feminino) é tipicamente menos eficaz que o preservativo externo (masculino). Com o uso perfeito, 5 em cada 100 mulheres engravidam em um ano. Com o uso típico, 21 em cada 100 engravidam (13).

Diafragma e capuz cervical

Os diafragmas e capuz cervicais são colocados sobre o colo do útero e usados com espermicida. Nenhum dos dois dispositivos estão disponíveis sem receita. Antes do Caya, um diafragma de tamanho único, os diafragmas tinham que ser ajustados por um(a) médico(a) (12).

Qual é a eficácia dos diafragmas e capuzes cervicais na prevenção da gravidez?

Com o uso perfeito do diafragma (que inclui o uso de espermicida), 16 em cada 100 mulheres engravidam em um ano. Com o uso típico, 17 em cada 100 têm uma gravidez indesejada (13).

Esponja

A esponja contraceptiva deve ser embebida em espermicida e colocada na vagina antes do sexo. Ela deve permanecer lá por seis horas após a atividade sexual. A esponja está disponível sem receita, mas é menos eficaz que o diafragma (12).

Qual é a eficácia da esponja contraceptiva na prevenção da gravidez?

A eficácia também depende de você ter tido uma gravidez com duração de pelo menos 22 semanas. Para as mulheres que nunca engravidaram, 9 em 100 engravidarão em um ano com uso perfeito e 14 em 100 engravidarão com o uso típico (13).

Para as pessoas que já estiveram grávidas por pelo menos 22 semanas, a taxa de falha é de 20 em cada 100 mulheres com uso perfeito. Com o uso típico, 27 em cada 100 mulheres têm uma gravidez indesejada (13).

Cremes, espumas e supositórios

Estes métodos são frequentemente usados em conjunto com preservativos, capuz cervical e/ou diafragma.

Qual é a eficácia das espumas e supositórios contraceptivos na prevenção da gravidez?

Em um ano, cerca de 16 em cada 100 mulheres engravidam com o uso perfeito. Com o uso típico, 21 em cada 100 mulheres engravidam em um ano (13).

Métodos de consciência da fertilidade

Os métodos baseados na percepção da fertilidade (FAMs) não são os mais bem vistos. Infelizmente, as pessoas os veem como o não confiável método rítmico ou "tabelinha".

Qual a diferença entre os FAMs e o método rítimico?

  • Método rítmico (tabelinha): usa a contagem de dias para prever a ovulação, com o objetivo de evitar o sexo em dias férteis.

  • FAMs: requerem monitoramento de marcadores de fertilidade (por exemplo, muco cervical, mudanças de temperatura e, às vezes, a posição do colo do útero) e uso de proteção secundária durante dias férteis (14).

Um dos problemas com a tabelinha é que ela é baseado em na teoria falha de que o o ciclo menstrual sempre dura 28 dias, com a ovulação ocorrendo no 14º dia. Essa ideia gerou muitos pais surpresos e bebês saltitantes.

Muitas pessoas não têm ciclos de 28 dias. Os ciclos variam por vários motivos (o estresse pode ser um fator). Além disso, a ovulação nem sempre acontece ao 14º dia, sobretudo se um ciclo for maior ou menor que 28 dias (12, 14).

Nota: se alguém tem um ciclo regular entre 16 e 32 dias (78% dos ciclos menstruais), os métodos baseados em calendário podem ser eficazes como contraceptivos (12).

Tipos de métodos de consciência da fertilidade

Existem diversos tipos de FAMs, cada uma com suas próprias regras. Dentre eles:

  1. Método de dias padrão

  2. Método de dois dias

  3. Método de Billings

  4. Método sensiplan/sintotérmico

Também existem aplicativos de fertilidade que podem ajudar a monitorar sua janela fértil. Certifique-se de fazer sua investigação: de acordo com pesquisas nesta área, muitos aplicativos de fertilidade não são baseados em evidências, não utilizam FAMs e não são concebidos para serem usados como contraceptivos (16).

Como funcionam os métodos de consciência de fertilidade?

Existem diversos tipos de métodos de consciência de fertilidade (FAMs). Cada um deles tem regras ligeiramente diferentes. É importante seguir um método oficial.

No entanto, para entender como funcionam os FAMs, você precisará entender também os conceitos básicos do ciclo menstrual. Temos um guia aqui, leia com calma para ter certeza que entendeu o que acontece com o corpo.

Antes de continuar: certifique-se de que você sabe quais são as fases do ciclo, o que acontece durante a ovulação e quais são as mudanças hormonais que acontecem em cada fase.

Indicadores de fertilidade

A maioria das FAMs exige que você observe e registre um ou mais indicadores de fertilidade e evite sexo desprotegido durante a janela fértil (14).

Tais indicadores podem incluir:

  • Dias do calendário

  • Testes de hormônio luteinizante (LH) (testes de ovulação)

  • Posição do colo do útero

  • Muco cervical

  • Temperatura corporal basal

Posição do colo do útero

Insira o dedo indicador e o dedo médio na vagina e sinta o interior do colo do útero (14). Perto da ovulação, o colo do útero fica mais macio (como os lábios) e mais alto, e a abertura para o útero é maior. Depois da ovulação, o colo do útero se fecha, fica mais duro (como a ponta do nariz) e desce um pouco.

Muco cervical

Antes da ovulação, o muco cervical se torna cada vez mais úmido e lubrificante. Perto da ovulação, esse líquido fica com uma consistência parecida com a da clara de ovo. Essas alterações podem ser observadas quando você limpa sua vulva (área vaginal) com papel higiênico (14).

O muco cervical é geralmente menos observável e mais seco durante dias não férteis. Os espermatozóides podem viver no muco cervical úmido e de qualidade fértil por até 5 dias, mas morrem em questão de horas no muco cervical seco e não fértil, presente quando os níveis de progesterona são altos (14).

Temperatura corporal basal

Após a ovulação, muitas pessoas notam um aumento na temperatura corporal basal, que pode ser melhor detectada pela manhã com um termômetro.

Qual é a eficácia dos FAMs na prevenção da gravidez?

Mais pesquisas são necessárias sobre os métodos de consciência da fertilidade. Uma revisão sistemática de 2018 sobre a eficácia do FAMs argumentou que são sub-pesquisados e que os estudos disponíveis geralmente são de qualidade baixa a moderada (17).

A eficácia dos FAMs depende do método.

  • O uso perfeito de FAMs varia de menos de 1 gravidez por 100 mulheres a 5 em 100.

  • O uso típico varia de 2 gestações em 100 a 23 gestações em 100 (17).

O sucesso do uso de um método de consciência da fertilidade depende de sua diligência em acompanhar os indicadores de fertilidade e de como você se dispõe a renunciar à relação sexual ou a usar um método de barreira durante a janela fértil.

Devo usar um método de consciência da fertilidade?

Se alguma das seguintes situações se aplicar, talvez os FAMs não sejam ideais para você:

  • Você começou a menstruar recentemente

  • Você está chegando na menopausa

  • Você acabou de interromper o uso de contraceptivos hormonais

  • Você engravidou recentemente

  • Você não tem disposição para monitorar a fertilidade diariamente

  • Você pode considerar outras formas de contracepção, pois essas situações podem dificultar a leitura dos sinais de fertilidade (12).

Amenorreia lactacional (Amamentação)

O método de amenorreia lactacional (LAM) é uma opção contraceptiva não hormonal exclusiva para quem está amamentando um bebê. O método consiste em amamentar para prevenir a ovulação.

Para a amenorreia lactacional ser efetiva, você deve amamentar o bebê com uma certa periodicidade— a cada quatro 4 durante o dia, e a cada 6 horas durante a noite—e sem suplementos (fórmulas) ou uso de leite extraído (12). Acredita-se que a sucção do leite por um bebê previne a produção normal do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH), inibindo o surgimento do hormônio luteinizante (LH). Sem o LH, a ovulação não ocorre (27). A sucção aplicada pelas bombas de leite não parecem ser confiáveis na inibição do LH. O método de amenorreia lactacional (LAM) pode funcionar por até 6 meses após o parto, ou até o retorno da menstruação, o que indica que você está ovulando (12).

Retirada (ou coito interrompido)

Esse método é controverso, pouco pesquisado e muito comum em certas partes do mundo (18). A retirada é frequentemente considerada como uma forma extremamente ineficaz de contracepção. A pesquisa apresenta um cenário mais complexo.

  • Uso perfeito: 4 em cada 100 mulheres engravidam em um ano (13). O “Uso perfeito” é definido aqui como retirada do pênis antes da ejaculação em todas as relações sexuais (18).

  • Uso típico: 20 em cada 100 mulheres engravidam em um ano (13).

Uma das principais preocupações é se o líquido pré-ejaculatório contém esperma. Algumas pessoas argumentam que a presença de esperma acontece devido a uma ejaculação anterior e que urinar antes do sexo pode aumentar a eficácia.

No entanto, isso pode depender do corpo de cada pessoa. Em um estudo que examinou a presença de espermatozóides em 27 voluntários, verificou-se que 11 tinham espermatozóides presentes no líquido pré-ejaculatório. Em 10 desses homens, o esperma era móvel (19).

Como havia várias amostras de líquido pré-ejaculatório coletadas de cada voluntário, os pesquisadores concluíram: "Afigura-se de nosso estudo que alguns homens têm espermatozóides em seu fluido pré-ejaculatório, enquanto outros não." (19)

Todos os participantes haviam urinado antes da amostragem, portanto, os resultados não se deveram ao esperma residual de uma ejaculação anterior (19).

DIU de cobre

O DIU de cobre não contém hormônios e pode ser usado por até 10 anos. O dispositivo possui um fino fio de cobre enrolado em sua estrutura plástica e libera íons de cobre. Tais íons geram uma resposta inflamatória no corpo criando um ambiente inóspito para o esperma (20-21).

O DIU de cobre tem as seguintes vantagens:

  • Alta eficácia (menos de 1 em cada 100 mulheres engravidam em um ano com o uso perfeito e o típico)

  • Longa duração

  • Remoção fácil

  • Pode funcionar como contracepção de emergência (20).

E essas possíveis desvantagens e efeitos colaterais:

  • Deslocamento e migração do dispositivo – o DIU é expulso do corpo de até 10% das pessoas que o usam (21)

  • Perfuração do útero

  • Cólicas

  • Aumento do fluxo menstrual

Aumento do risco de doença inflamatória pélvica nos primeiros 21 dias da implantação (20). Muitos dos efeitos colaterais diminuem com o tempo. No entanto, por causa das cólicas e do aumento do fluxo, 15% das pessoas deixam de usar o DIU de cobre antes de completar um ano. (22).

Esterilização

O método contraceptivo mais popular nos EUA é a esterilização (3). Este é um procedimento cirúrgico que elimina a possibilidade de concepção na maioria dos casos.

Assim como a abstinência, a esterilização é a maneira mais eficaz de prevenir a gravidez (10). A esterilização geralmente é escolhida por homens e mulheres que decidiram que não querem mais (ou, em alguns casos, nenhum) filho.

Esterilização feminina (laqueadura)

A laqueadura é barata e envolve anestesia local ou geral (10). Para impedir que o óvulo viaje pelas trompas de Falópio e seja fertilizado pelos espermatozóides, as trompas de Falópio são cortadas, ligadas ou cauterizadas (23).

Durante um procedimento de minilaparotomia, as trompas de Falópio são puxadas através de uma pequena incisão no abdômen e cortadas, removidas ou grampeadas (23).

Um procedimento de laparoscopia usa um laparoscópio para visualizar os órgãos internos e fechar as trompas de Falópio através de cortes, grampeamentos ou selagens com corrente elétrica. O procedimento geralmente requer duas pequenas incisões. A recuperação costuma ser rápida e os efeitos colaterais são mais brandos do que na minilaparotomia (24).

A esterilização é um método contraceptivo extremamente eficaz, com menos de uma em cada 100 mulheres engravidando em um ano, com uso perfeito e típico (13). Os riscos incluem a rara possibilidade de gravidez ectópica se ocorrer concepção (23). A laqueadura é imediatamente efetiva.

Esterilização masculina (vasectomia)

Essa forma de esterilização envolve grampear, cortar ou selar o tubo deferente, que está envolvido no transporte de espermatozóides.

Dentro de 2 a 4 meses, o esperma não estará presente no líquido ejaculatório. Será necessário usar contraceptivos nestes meses. As vasectomias são mais seguras que as laqueaduras, com os riscos limitados à sangramento e infecção.

As vasectomias podem ser realizadas com ou sem incisões cirúrgicas e, assim como na laqueadura, menos de uma pessoa em cada 100 engravidará em um ano (13).

Considerações finais

É isso, pessoal, essas são algumas das opções. Não existe um método contraceptivo perfeito que se adapte a todo mundo. O essencial é aprender sobre as diferentes opções e encontrar a que funciona melhor para você. E isso pode mudar com suas escolhas de vida e com a idade.

An image for a square advertisement for the Ruby cup product
An illustration of a heart

Gostou dessa leitura? Ajude-nos a criar ainda mais conteúdo: contribua com nossa pesquisa científica. Contribua agora

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares