Fotos: Clár McWeeney

Pele e cabelo

Pele e o ciclo: como os hormônios afetam sua pele

por Nicole Telfer, Autora Científica
  • Compartilhar este artigo no Twitter
  • Compartilhar este artigo no Facebook
  • Compartilhar este artigo pelo WhatsApp
An image for a banner advertisement for the Ruby cup product

*Tradução: Juliana Secchi

Coisas importantes a saber:

  • Sua pele muda por influência dos hormônios, como estrogênio e testosterona

  • Se sua pele é oleosa, você pode perceber um aumento na oleosidade da pele antes ou durante sua menstruação

  • É comum que espinhas apareçam na fase pré-menstrual e durante a menstruação

Sua pele é um dos maiores e mais importantes órgãos do seu corpo. Ela forma uma barreira física protetora, regula sua temperatura e proporciona um caminho para a eliminação de fluidos como suor e óleos (1).

Não existe um estado "normal padrão" para sua pele, uma vez que ela vai mudando conforme você envelhece e ao passar por diferentes fases. Sua pele também pode alterar com o clima, doenças ou condições de saúde (12).

Você deve ter percebido mudanças na sua pele — principalmente na pele do seu rosto —começando por volta da puberdade. Sua pele reage a muitos fatores, incluindo seus hormônios, por meio de muitos receptores (3–6).

Como os hormônios podem tornar a pele oleosa

Muitas das mudanças na pele que você pode observar durante a puberdade e ao longo da vida se devem a pequenas glândulas chamadas glândulas sebáceas. Essas glândulas sebáceas produzem e secretam uma substância oleosa chamada sebo. Começando por volta da puberdade, as glândulas sebáceas aumentam de tamanho e começam a secretar sebo, com a maior parte do sebo eliminada entre os 15 e 35 anos de idade (7). O termo médico para a condição de se ter pele oleosa é chamado seborreia e possui causas diferentes.

Glândulas sebáceas, como muitas outras partes da pele, possuem receptores que são influenciados por hormônios sexuais. Essas glândulas são afetadas com maior força por androgênios, que são hormônios sexuais masculinos, como a testosterona, mas que estão presentes em homens e mulheres (4, 8, 9). Esses androgênios aumentam a produção de sebo durante a puberdade tanto em meninos quanto em meninas (8, 9). Quando existem mais androgênios fazendo ligação com os receptores das glândulas sebáceas, mais sebo é produzido. Isso pode acarretar um aumento perceptível na oleosidade da pele e pode levar à acne.

A produção de sebo pode variar ao longo do ciclo menstrual. O impacto que o estrogênio tem na produção de sebo ainda não é totalmente conhecido. O estrogênio demonstrou reduzir os níveis de produção de sebo e de ativação glandular, particularmente em altas doses (4, 9–12). Mas entender como as flutuações naturais de estrogênio ao longo do ciclo menstrual afetam a pele é mais difícil. Em um estudo realizado com mulheres com pele oleosa, aumentos na produção de sebo ocorreram durante a semana anterior à menstruação e também durante a semana da menstruação (13). A semana com a menor quantidade de sebo produzida foi a segunda semana do ciclo menstrual (13). Em mulheres de pele não-oleosa, não foram percebidas mudanças significativas na produção de sebo (13). Uma vez que níveis hormonais não foram medidos nesse estudo, os pesquisadores não puderam afirmar se as mudanças na oleosidade da pele se deviam de fato a mudanças nos níveis hormonais (13).

Muitos outros fatores influenciam os níveis de sebo e podem afetar a oleosidade da sua pele: genética, as estações do ano, excesso de exposição solar e uso excessivo ou indevido de produtos para cuidado da pele (2, 4).

Estrogênio: como ele afeta a saúde da sua pele

Mesmo que ainda não esteja claro até que ponto o estrogênio afeta as glândulas sebáceas, sabe-se que o estrogênio desempenha um papel de destaque na saúde da pele de uma forma geral. O estrogênio está associado ao aumento da produção de colágeno, à espessura e hidratação da pele, cicatrização de ferimentos e também melhora a função de barreira da pele (5, 6). Um estudo descobriu que 2 entre 5 mulheres notaram a pele mais sensível por volta da menstruação, o que pesquisadores suspeitam se dever aos níveis mais baixos de estrogênio durante essa fase (14).

Muitas das formas nas quais os pesquisadores estudam o impacto do estrogênio na pele é comparando mulheres na pré-menopausa (que apresentam níveis mais altos de estrogênio) a mulheres na pós-menopausa (que possuem níveis mais baixos de estrogênio). No estudo referenciado acima, um terço das mulheres na pós-menopausa e na perimenopausa também perceberam esse aumento na sensibilidade da pele após a menopausa — a fase em que os níveis de estrogênio diminuem (14).

Uma mão segurando um celular com o Clue app aberto

Baixe o Clue agora e comece a monitorar mudanças na pele ao longo de seu ciclo

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

4.8

mais de 2M+ avaliações

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

4.8

mais de 2M+ avaliações

Acne e o ciclo menstrual

Quando altos níveis de androgênios promovem excesso de produção de sebo, o sebo pode se combinar com células mortas da pele de dentro dos poros, causando um bloqueio (8, 9). Esse bloqueio dos poros pode prender todo o excesso de sebo que está sendo produzido e se manifestar como acne (15, 9, 10). Esses poros cheios de sebo são lugares ideais para bactérias — sobretudo acnes P., que se proliferam nesses poros e causam piora posterior ao dar lugar à acne inflamatória (15, 16).

A acne (acne vulgaris) é uma das condições de pele relacionadas ao ciclo que são relatadas com maior frequência (4, 8). O surgimento de espinhas hormonais relacionadas à menstruação são muito comuns na fase perimenstrual (10 dias antes da menstruação mais os dias de sangramento) (4, 8).

As razões para o surgimento da acne hormonal ainda não são totalmente conhecidos, mas existem algumas teorias. Alguns pesquisadores acreditam que antes da menstruação começar, não há estrogênio suficiente para promover o seu efeito "anti-sebo" (4, 9–12). Sem estrogênio alto, os androgênios aumentam a produção de sebo, o que leva ao aumento do entupimento dos poros e a um ambiente favorável às acnes P. Outras teorias sugerem que a acne hormonal pode ser causada por uma deficiência ou desequilíbrio nos índices de progesterona ou estrogênio (4). Mais pesquisas científicas são necessárias.

Mulheres e pessoas com ciclos que têm maiores níveis de androgênios, como pessoas com síndrome do ovário policístico (SOP), estão mais dispostas a ter acne, assim como excesso de pelos e queda de cabelo de padrão feminino (9). Homens trans também podem perceber um aumento nas lesões por acne durante o primeiro ano de ingestão de testosterona, mas isso tende a diminuir após o uso de testosterona por longos períodos (17).

Algumas pessoas percebem a redução no surgimento de espinhas ao tomar anticoncepcionais hormonais, o que explica porque contraceptivos orais são usados às vezes para o tratamento da acne. Na pílula anticoncepcional combinada, o estrogênio sintético está presente em doses que inibem a ovulação. Quando a ovulação não acontece, androgênios ovarianos não são produzidos (9).

Nem toda a acne está relacionada ao ciclo menstrual ou hormonal. A acne afeta pessoas de todos os gêneros e idades (18). Genética, dietas e crises de estresse podem também influenciar a acne, mas mais pesquisas se fazem necessárias nesse sentido (9, 19).

Tratar a acne pode auxiliar na melhora da autoestima e qualidade de vida (20). Espinhas podem não ser uma questão de higiene, mas de quão bem você cuida de sua pele por volta dos dias em que há um aumento da sensibilidade da pele.

Suor e as fases do ciclo menstrual

A habilidade do seu corpo para suar muda ao longo do seu ciclo também. Sua temperatura corporal basal aumenta na fase lútea (segunda metade do seu ciclo). Pesquisadores perceberam que mulheres na fase lútea apresentam aumento na produção de suor quando expostas a temperaturas mais quentes em comparação a quando elas estão na fase folicular (a primeira metade do ciclo menstrual) (21). Esse aumento no suor foi perceptível não apenas no rosto mas em todo o corpo (21). Se você notar mudanças em seu suor ao longo do ciclo menstrual, monitore nas categorias específicas respectivas no seu Clue app.

Pele seca e o ciclo menstrual

Ter uma pele que é mais seca do que você gostaria é muito comum, principalmente durante as estações ou climas secos. A pele seca também é influenciada pela genética e pode se tornar mais predominante com a idade (22). Dermatites, psoríase e outras condições ou doenças de pele podem piorar durante a fase pré-menstrual (45, 23–25).

Use o Clue app para monitorar as alterações na sua pele ao longo do ciclo. Sua pele pode mudar em resposta às variações hormonais que acontecem durante o ciclo. Você pode perceber diferenças no surgimento de espinhas, hidratação da pele, elasticidade e capacidade de cicatrização em diferentes períodos do ciclo.

Monitorar mudanças na pele vão permitir que você note quaisquer padrões que podem ocorrer em seu ciclo ou outros fatores do dia a dia (como sono e estresse). Fazer o monitoramento também pode ajudar você a escolher métodos eficientes para lidar com problemas de pele como a acne.

Aprenda sobre seu corpo e saúde feminina

A Steph do Clue te convida a ler nossa newsletter
Oi, eu sou a Steph! Enviaremos histórias educativas e curiosas sobre saúde feminina, além de compartilhar dicas e truques para você aproveitar o Clue app ao máximo!

An image for a square advertisement for the Ruby cup product
An illustration of a heart

Gostou dessa leitura? Ajude-nos a criar ainda mais conteúdo: contribua com nossa pesquisa científica. Contribua agora

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares