Fluido sendo ejetado com força.

Ilustração por Marta Pucci e Katrin Friedmann

Prazer

Ejaculação feminina e da vulva: por que importa e qual a sensação

*Tradução: Joana de Sousa

Nota: a palavra "squirting" vem do inglês "squirt", que significa esguicho. Ao longo deste artigo usaremos a palavra “squirt” para falar do esguicho ou do fluido, e a palavra *squirting* para referir o ato feminino de ejacular.

O “squirting” acontece quando a pessoa tem a sua ejaculação e esguicha líquido ou fluidos da sua vagina, num momento de prazer. Não tem cor nem cheiro e não dever ser confundido com a lubrificação natural da vagina.

Imagem de três telas mostrando o aplicativo Clue

Baixe o Clue agora e registre seu apetite sexual, entre outros sintomas e emoções

  • Baixe o Clue app na App Store
  • Baixe o Clue app na Play Store

4.8

Ilustração de uma avaliação cinco estrelas

2M+ avaliações

A ejaculação é uma experiência corporal poderosa que tem sido associada com o pénis e com a sexualidade masculina. Mas a ejaculação pela vulva ou pela vagina também pode acontecer antes, durante, depois ou mesmo sem orgasmo. Hoje que há mais compreensão de que as mulheres e pessoas designadas femininas ao nascimento tem uma sexualidade - que não somos objetos sexuais passivos - há mais abertura e consciência sobre nossa biologia, desejos e apetites sexuais. E o “squirting” é apenas uma parte disso.

Durante o sexo, algumas pessoas com vulvas experimentam a emissão involuntária de líquido. Isso se tornou conhecido como "squirting" ou "ejaculação feminina" (embora nem todos com uma vulva se identifiquem como sendo do sexo feminino, e nem todos os que se identificam como mulheres tenham uma vulva).

“O squirting tem recebido muita atenção nos últimos anos. Informações precisas e conversas sobre as realidades sexuais de pessoas designadas por mulheres - cujos corpos ainda são frequentemente sujeitos a mitos e mistérios - são fantásticas. Dito isso, às vezes, o squirting é apresentado como algo para “alcançar” ou uma parte essencial de ser sexualmente livre. Isso cria muita pressão desnecessária! ”- diz Kitty May, Diretora para a Educação e Divulgação Comunitária na Other Nature.

No ano passado, analisámos a ciência por trás do “squirting” (leia aqui, em inglês). Erica refletiu sobre sua experiência de sentir pressão para alcançar o “squirt” por alguns dos seus parceiros.

Eu entendo que algumas pessoas vêm o “squirting” como um truque que se espera que elas façam, mas, e quanto àqueles que o acham um embaraço? Ao mesmo tempo, eu me perguntei: o que significa falar sobre “ejaculação feminina” com pessoas que se identificam como não binárias?

Um resumo sobre a ejaculação feminina

Parece que estamos ejaculando há muito tempo. Em 2010, a urologista Joanna Korda e seus colegas analisaram traduções de antigos textos literários e extraíram várias referências à ejaculação de fluidos sexuais (1).

O Kamasutra (escrito entre 200-400 DC) fala de “sémen feminino” que “cai continuamente”, enquanto um texto taoista do século IV, “Instruções Secretas sobre a Câmara de Jade”, distingue entre “vagina escorregadia” e “os genitais que transmitem fluido”. Korda e seus coautores concluíram que o último pode ser claramente interpretado como ejaculação feminina.

Controvérsia: seria o líquido ejaculatório feminino apenas urina?

Ser popular não tornou o squirting "aceitável" para todos. Em 2014, a ejaculação feminina foi banida da pornografia produzida no Reino Unido. A proibição foi recebida com considerável protesto, pois implica que a ejaculação de uma vulva é de algum modo perversa, enquanto a ejaculação de um pênis é completamente normal.

Aparentemente, os responsáveis pela censura acharam difícil dizer a diferença entre ejaculação e micção feminina, que é considerado um ato pornográfico “obsceno”.

Não há consenso entre a comunidade científica sobre a composição do fluido ejaculatório feminino. Embora ainda não esteja claro, o fluido ejaculado feminino demonstrou conter urina e poderá também conter uma combinação de outros fluidos (2, 3, 4, 5).

Em 2009, a doula e a investigadora de sexo Dra. Amy L. Gilliland, observou que os estudos existentes sobre ejaculação feminina não levavam em conta as experiências das pessoas que ejaculavam, então ela entrevistou 13 mulheres sobre suas experiências (6).

A maioria relatou quantidades “copiosas” de líquidos que são libertados no momento do orgasmo, o suficiente para “encharcar a cama”, “borrifar a parede” ou fazer o parceiro gritar de terror e incompreensão. Gilliland notou que as mulheres que inicialmente sentiam vergonha da sua ejaculação tendiam a ter sentimentos positivos sobre isso mais tarde nas suas vidas - depois de aprenderem mais sobre o “squirting”, ouvirem sobre as experiências dos outros, ou de terem um feedback positivo de seus parceiros sexuais.

Experiências com ejaculação feminina

Comparativamente, existe mais material escrito sobre as experiências de ejaculação de mulheres heterossexuais e cisgénero, então eu procurei as pessoas queer - englobando todas as categorias que não são heterossexuais ou cisgénero - e transgênero em minha rede para conhecer suas histórias:

“Uma das primeiras vezes que eu ejaculei foi com um parceiro de longa data, eu estava com meus vinte e poucos anos e me senti envergonhada, eu me preocupei que fosse urina. Meu parceiro e eu cheiramos e tentamos prová-lo, chegando à conclusão de que não era urina e que, se fosse, realmente não importava. Naquela época, isso não acontecia com tanta frequência e eu não me sentia tão confiante sobre isso ou não entendia tanto quanto agora. Agora, isso acontece com frequência e sinto que tenho muito mais controle. Hoje eu consigo esguichar a distâncias maiores e maiores quantidades de líquido. Com o tempo, meus sentimentos mudaram definitivamente: desde que a superfície seja boa para o ‘squirting’, eu realmente gosto e acho o ‘squirting’ muito prazeroso. Muitas vezes eu tenho um ‘squirt’ quando estou a atingir o orgasmo / estou gozando, é parte do orgasmo para mim. - Princesa (mulher cisgénero, “queer”)

“A primeira vez que ejaculei foi como uma fonte e fiquei bastante surpreendida. A pessoa com quem eu estava tendo sexo não se importou, ela agiu como se fosse completamente normal e continuou. Eu estava toda molhada e eu me senti tão bem! Hoje em dia eu ejaculo principalmente no começo do meu ciclo: na primeira ou segunda semanas depois que meu período termina. Eu realmente me sinto bem com o meu ‘squirt’. Eu gosto de como isso deixa as pessoas felizes ou surpreendidas. Para mim, é como um contrapeso à ejaculação masculina. Como alguém que se identifica como não binário, é muito interessante brincar com isso. Toda vez que estou fazendo sexo, identifico-me como um gênero diferente ou como alguém com todos os gêneros possíveis. Quando eu ejaculo / tenho o meu “squirt” me sinto muito bem com meu corpo e com meu gênero. Eu não preciso de um pênis para ejacular, é como se eu pudesse ter tudo. É também uma vitória, é sobre deixar meu corpo ir. Talvez seja urina ou talvez não, eu não me importo. É muito gratificante deixar o meu corpo fazer o que ele quer fazer.

Eu não tenho orgasmo antes do ‘squirt’, e conseguir a minha ejaculação requer muita penetração física quase violenta, e quando eu ejaculo me esvazio de uma certa maneira. Então, às vezes eu tenho um orgasmo depois, mas, geralmente depois do ‘squirt’ eu preciso parar o sexo - o ‘squirting’ é algo intenso para mim. Às vezes eu esguicho na hora do orgasmo, pode ser que meu parceiro perceba e me diga, ou às vezes é muito forte e eu percebo isso sozinha. ”- Anônimo (não-binário, “queer”)

“A primeira vez que eu ejaculei eu tinha 18 ou 19 anos de idade. Eu estava me masturbando no chuveiro com a corrente de pressão do chuveiro, e eu gozei muito duro, ‘squirting’ para fora. Foi incrível, como uma liberação extrema e relaxamento que eu não havia experimentado antes; um prazer intenso. Agora eu ejaculo toda vez que há a pressão certa no meu ponto G ou quando me masturbo com o chuveiro. Na maioria das vezes eu tenho o orgasmo e o ‘squirt’ ao mesmo tempo, mas às vezes eu vou esguichar pouco antes ou depois de eu atingir o orgasmo. Eu me sinto ótima sobre isso e tenho feito desde a primeira vez. Eu me sinto muito sexy e poderosa quando ejaculo. E os meus parceiros também parecem gostar bastante disso, pelo menos eu não tenho reclamações. ”- Layana (mulher cisgénero, queer)

"Por alguns anos senti que algo precisava sair e isso nunca aconteceu. Eu estava com tanto medo de urinar, então eu disse pare. Então uma vez eu tive sexo com meu parceiro por um longo tempo, e eu decidi que não tinha medo de urinar. Eu relaxei e eu ejaculei. Foi muito bom, um pouco confuso, mas muito íntimo. Meu parceiro estava animado também. Eu acho que ver alguém se soltar é uma coisa sexy. Quando eu era mais nova, não gostava de me sentir muito molhada ou suada, mas agora essas coisas fazem parte do sexo para mim e realmente me deixam muito mais excitada. Agora eu ejaculo mais vezes. Eu não posso controlar isso, mas eu reconheço quando isso vai acontecer e é realmente incrível. Acontece antes do orgasmo, então eu sei que se eu continuar tendo sexo um pouco mais eu vou ter um orgasmo em seguida. Técnicas de respiração me ajudaram a relaxar, ejacular, controlar meu orgasmo e também conseguir orgasmos mais fortes. Eu costumava pensar que a ejaculação feminina era uma maneira de ver quando alguém tem um orgasmo, mas agora eu sei que a ejaculação não significa sempre isso. Para quem se sente envergonhado por esguichar / pelo seu “squirt”, acho importante lembrar que é super sexy, e mesmo que seja urina, tudo bem - urina é apenas água, de todas formas. ”- Sammi (homem transgênero, queer)

De certa forma, a ejaculação é muito parecida com o orgasmo: às vezes acontece e às vezes não. Ainda não temos uma resposta definitiva sobre por que algumas pessoas com vulva ejaculam e outras não. Pode ser porque algumas pessoas não estão excitadas sexualmente o suficiente, ou não estão recebendo o tipo de estímulo sexual necessário para ejacular, porque elas não se sentem confortáveis fazendo isso ou porque elas propositadamente se seguram porque parece que vão urinar. Pode ser também que mais pessoas do que as que sabem ejaculem, apenas em quantidades menores e que acabam passando despercebidas.

“Ejacular acontece com algumas pessoas e não com outras; Pode ser que todos que têm uma vulva tenham a capacidade de esguichar / ejacular, mas não há como saber disso e, mais importante, não é algo que todos estejam interessados”, diz Kitty May. "Não há nada de errado ou vergonha em ejacular - mas também não há nada de errado em não ejacular!"

Seja orgasmo, esguicho, “squirt” ou qualquer outra coisa, todo corpo é diferente. Em vez de se concentrar em um destino, por que não apenas colocar uma toalha por baixo e aproveitar a viagem?

Rastreie fluidos e o sexo no Clue app. Você pode rastrear “squirting” ou ejaculação usando tags personalizadas.

Nota: este artigo incluía anteriormente um gráfico de dados do site pornográfico Pornhub. Embora o site tenha trabalhado para fazer de sua plataforma um lugar mais seguro, não gostaríamos mais de citar seus dados após alegações de que o portal hospeda vídeos de violência sexual misógina. O Clue é a favor da pornografia e de profissionais do sexo, mas somos ainda mais a favor do consenso e da não violência. (Artigo publicado originalmente em 09 de novembro de 2017)

An illustration of a hand pressing a button

Let's support one another.

and champion menstrual health together. Make an impact today in one click.

An illustration of a hand pressing a button

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares