Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de navegação. Leia mais aqui.

Ilustración: Marta Pucci

Sexo

Tudo sobre os estrogênios sintéticos

O que você precisa saber sobre a forma sintética do estrogênio.

por Nicole Telfer, Science Content Producer Revisado por Maegan Boutot, Former Science Writer for Clue
  • Compartilhar este artigo no Twitter
  • Compartilhar este artigo no Facebook
  • Compartilhar este artigo pelo WhatsApp

*Tradução: Mariana Rezende

Os hormônios são muito mais interessantes do que as aulas de ciências na escola faziam parecer. Então criamos um guia para todos os hormônios. Aqui está tudo o que você precisa saber sobre estrogênio, progesterona, androgênio, progestagênios, estrogênio sintético e globulina de ligação a hormônios sexuais (SHBG).

Coisas importantes a saber:

  • Estrogênios sintéticos são usados nos contraceptivos hormonais e em tratamentos para sintomas da menopausa.

  • A função do estrogênio nos contraceptivos combinados orais é tornar o sangramento previsível. Sem o estrogênio, os métodos à base de somente progestagênio podem causar alterações imprevisíveis no sangramento menstrual.

  • O estrogênio sintético que contém contraceptivos pode causar efeitos colaterais positivos e negativos, incluindo: sensibilidade mamária, inchaço, náusea, alterações da acne, alterações no padrão de sangramento, alterações nos níveis de colesterol e alterações no risco de algumas doenças e cânceres.

Para começar: o que é o estrogênio?

Você certamente já ouviu falar no estrogênio, já que ele é um hormônio importante.

Os hormônios são mensageiros químicos que facilitam a comunicação entre as células ao redor de todo o corpo. Pense no estrogênio como uma chave e nos receptores de estrogênio como uma fechadura. Juntos, eles fazem certos sistemas corporais funcionarem. Existem muitos tipos diferentes de estrogênio e a palavra representa uma família inteira de compostos moleculares com formas semelhantes.

Em nossos corpos, os estrogênios ajudam a controlar diferentes processos – incluindo a puberdade, o ciclo menstrual, a concepção e a gravidez.

Os cientistas conseguiram aproveitar e fabricar hormônios químicos, incluindo estrogênios sintéticos, que se conectam e influenciam os receptores de estrogênio em todo o corpo, permitindo-nos alterar e controlar aspectos da nossa saúde reprodutiva.

Qual é a diferença entre o estrogênio natural no meu corpo e o estrogênio em medicamentos?

Os estrogênios produzidos no seu corpo são chamados de estrôgenios endógenos, enquanto os estrogênios administrados como medicamento são frequentemente chamados de estrogênio exógeno ou estrogênio sintético (se for fabricado ou alterado farmacologicamente).

Estrogênios sintéticos diferem ligeiramente do estrogênio endógeno na estrutura química. Essas pequenas diferenças fazem com que sejam absorvidos, metabolizados (processados) e excretados de maneira diferente pelo organismo. Eles também ativam os receptores de estrogênio de maneira diferente.

O estradiol é a forma mais ativa do estrogênio natural do corpo. Esse é o tipo de estrogênio que impulsiona o ciclo menstrual e se conecta mais fortemente aos receptores de estrogênio (1).

Por que o estrogênio sintético causa efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais de se tomar qualquer contraceptivo hormonal podem ser atribuídos ao fato de que os níveis hormonais de um contraceptivo são diferentes dos níveis hormonais produzidos naturalmente pela pessoa.

Efeitos colaterais do estrogênio sintético

Como os contraceptivos hormonais combinados são sempre apresentados como uma combinação de estrogênio e progestagênio, pode ser difícil determinar qual componente (e qual dose e combinação relativa) é responsável por cada efeito colateral.

Contraceptivos hormonais combinados e estrogênios sintéticos podem causar efeitos colaterais positivos e negativos, incluindo:

  • Alterações na sensibilidade mamária e alterações císticas (2, 3)

  • Retenção de líquidos/inchaço (2)

  • Náusea (2, 3)

  • Diminuição da acne (3)

  • Sangramento não programado, aumento ou diminuição do sangramento e interrupção do padrão de sangramento (3, 4)

  • Mudanças nos níveis de colesterol (2)

  • Aumento do risco de doença cardiovascular (3)

  • Aumento do risco de coágulo sanguíneo (5, 6)

  • Ligeiro aumento do risco de câncer de mama (7 - 10) e câncer do colo do útero (7, 10 - 12)

  • Ligeira redução no risco de câncer de endométrio (10, 13, 14) e ovário (10, 15, 16)

Os efeitos colaterais – negativos e positivos – podem depender da quantidade de estrogênio, do tipo de progesterona e de fatores individuais.

O estrogênio sintético os tratamentos da menopausa e da perimenopausa pode causar os seguintes efeitos colaterais:

  • Aumento na densidade mineral óssea em mulheres na pós-menopausa (2)

  • Em caso de toma de progestagênio, aumento no risco de câncer endometrial* (17)

  • Aumento do risco de coágulos sanguíneos e derrame, embora formas não orais possam ser menos arriscadas (18)

  • Pequeno aumento no risco de ataque cardíaco (18)

  • Pequeno aumento no risco de câncer de mama (18)

  • Pequeno aumento do risco de doença da vesícula biliar (18)

*As pessoas que fizeram uma histerectomia podem tomar medicamentos à base de somente estrogênio, pois não podem desenvolver câncer endometrial (17).

Quais são os tipos de estrogênio sintético – e por que devo saber que eles existem?

Estrogênios sintéticos são mais comumente usados em contraceptivos hormonais e como parte da terapia hormonal para pessoas durante a menopausa, para mitigar efeitos colaterais indesejados.

Estrogênios nos contraceptivos hormonais

Os estrogênios são usados em combinação com progestagênios e em contraceptivos hormonais combinados, como a pílula, o adesivo e o anel. Mas o hormônio que impede a gravidez é, na verdade, progestagênio – ele suprime a ovulação e inibe a secreção de muco fértil e elástico (19, 20).

O objetivo do estrogênio no controle anticoncepcional hormonal combinado é tornar o sangramento previsível (20). Métodos exclusivamente de progestagênio podem causar alterações no sangramento menstrual (3,21). Portanto, essencialmente, os estrogênios sintéticos são adicionados a esses tipos de contraceptivos para fazer com que o seu "sangramento de retirada" pareça mais com uma "menstruação normal".

Etinilestradiol

Nos Estados Unidos, o tipo mais comum de estrogênio sintético usado em anticoncepcionais hormonais combinados é o etinilestradiol (2).

Quando tomado por via oral, o etinilestradiol é muito biodisponível – isso significa que o medicamento pode ser absorvido pelo organismo para produzir mais rapidamente o efeito desejado. É necessário menos etinilestradiol que o estradiol exógeno (também conhecido como 17β-estradiol) para produzir efeitos semelhantes no organismo (2, 22).

Valerato de estradiol (E2V)

Esse tipo de estrogênio sintético é mais recente no mercado e está disponível somente em alguns anticoncepcionais orais.

Uma vez que o valerato de estradiol é tomado por via oral, ele é alterado por enzimas no intestino. Esse processo o transforma na forma "natural" do estrogênio, o estradiol (23).

As fórmulas que contêm valerato de estradiol são combinadas com um progestagênio forte e têm apenas dois dias de pílulas placebo (24). As pessoas que tomam esses anticoncepcionais sofrem menos perda de sangue menstrual do que aquelas que não tomam medicamentos hormonais. Por esse motivo, o valerato de estradiol também pode ser utilizado no tratamento de sangramentos menstruais intensos (25, 26).

Estradiol: estrogênio natural

O estradiol disponível em formato medicinal tem a mesma estrutura hormonal que o estradiol encontrado no seu corpo. Às vezes, é conhecido por seu nome mais científico, 17β-estradiol.

Algumas empresas e pesquisadores estão interessados em desenvolver fórmulas de contraceptivos que usam esse estrogênio natural. Um dos motivos para o desenvolvimento desses produtos é baseado em uma teoria de que o estrogênio natural produzirá menos efeitos colaterais, incluindo a redução do risco de coágulo sanguíneo (27). No entanto, isso ainda não foi comprovado – mais estudos ainda são necessários.

A principal razão pela qual é difícil usar o estradiol em uma fórmula contraceptiva é que, quando tomado por via oral, o estradiol não é muito biodisponível. Isso significa que o corpo o absorve particularmente bem.

Um motivo para isso é que grande parte do estradiol oral é processado muito rapidamente pelo fígado antes mesmo de atingir a corrente sanguínea (2, 28). Depois de ter sido processado, ele não pode ter seu efeito pretendido.

Dito isto, alguns fabricantes estão experimentando com doses e formas que funcionam para contraceptivos. No passado, foram feitas diversas tentativas de criar anticoncepcionais com estradiol oral. Essas tentativas falharam, não por causa das capacidades contraceptivas, mas por causa da baixa tolerância das pessoas devido a sangramentos recorrentes (23).

Atualmente, não existem contraceptivos hormonais contendo 17β-estradiol disponíveis nos Estados Unidos, mas existem algumas formulações disponíveis em outros países (27).

Estrogênio usado no tratamento dos sintomas da menopausa e da perimenopausa

Às vezes, medicamentos contendo estrogênio são prescritos para pessoas com sintomas relacionados à perimenopausa e menopausa, como ondas de calor (também conhecidos como afrontamentos), secura vaginal ou suores noturnos (17, 18).

Os tipos de estrogênios exógenos usados na terapia hormonal da menopausa incluem:

  • Etinilestradiol

  • 17ß-estradiol

  • Estrogênio equino conjugado. O estrogênio equino conjugado é produzido a partir da urina de éguas prenhes e contém vários tipos diferentes de estrogênios fracos (17).

Nem todas as pessoas que passam pela menopausa e perimenopausa fazem tratamentos hormonais na menopausa. Esses tratamentos geralmente estão disponíveis em diversos formatos que podem variar de acordo com o objetivo do tratamento. Os formatos incluem: pílulas, adesivos, géis, sprays ou pomadas (3, 18). Converse com um profissional de saúde para determinar se a terapia hormonal da menopausa faz sentido para você.

Os progestagênios às vezes também são usados na terapia hormonal da menopausa como forma de equilíbrio com os estrogênios. Os estrogênios estimulam o endométrio (o revestimento do útero) a crescer e se tornar uma camada espessa (1). Como essa camada geralmente é eliminada durante a menstruação, o endométrio das pessoas que atingiram a menopausa e não menstruam pode ser potencialmente estimulado a crescer continuamente. O progestagênio em uma fórmula impede que o endométrio "cresça" muito, o que é um fator de risco para o câncer de endométrio (17). Se uma pessoa já fez uma histerectomia – o que significa que ela não tem mais um útero – ela pode fazer a terapia de estrogênio sem progestagênios (18).

Qual estrogênio está no meu anticoncepcional ou medicamento específico?

A tabela abaixo lista os possíveis tipos de estrogênio sintético disponíveis em cada contraceptivo nos EUA. Confira os ingredientes medicamente ativos em seu anticoncepcional para determinar que tipo de estrogênio você está tomando.

Tipo de estrogênio disponível em diferentes formas de anticoncepcionais hormonais combinados nos Estados Unidos

(3)

A escolha de usar (ou interromper) os anticoncepcionais hormonais ou a terapia da menopausa, com ou sem estrogênio sintético, é uma escolha importante e pessoal. Converse com um profissional de saúde que possa ajudar você a decidir qual é a melhor opção.

As pessoas são únicas e têm objetivos e fatores de riscos diferentes. Não tenha medo de experimentar outro tipo de pílula ou método anticoncepcional caso sua primeira tentativa não seja satisfatória.

Você também pode gostar de ler: