Sua Privacidade

By using our website you consent that Clue may use cookies and third-party services, and collect your usage data under a unique identifier for the purposes of tracking, analysis, improvement of our website, and personalization purposes (such as showing you relevant Clue content).

Read more on our Privacy Policy how we use cookies.

Icons depicting a pregnancy test, baby clothes, a uterus, fallopian tubes and ovaries, a tampon, lightning bolts and stars.

Ilustração: Emma Günther

Tempo de leitura: 6 min

Tudo o que você precisa saber sobre endometriose: mitos e verdades

Não é "apenas menstruação dolorosa" e não, a gravidez não a cura.

A endometriose é uma doença muito complicada. Pessoas que têm endometriose costumam sofrer com diagnósticos tardios, tratamentos imprecisos e uma falta geral de consciência sobre a doença em si. Aqui estão algumas respostas para perguntas comuns e equívocos sobre a endometriose.

A endometriose é simplesmente uma dor menstrual intensa?

Não. A endometriose é uma condição na qual tecido semelhante ao endométrio (semelhante ao revestimento interno do útero ou ao endométrio) é encontrado fora do útero, onde pode causar uma reação inflamatória crônica que pode resultar em dor e cicatrizes (1). Algumas pessoas com endometriose não apresentam sintomas, mas muitas sentem dores intensas antes, durante e após a menstruação (1). A endometriose pode causar dismenorreia (menstruação dolorosa), dispareunia (dor pélvica crônica), sexo doloroso, disquezia (evacuações dolorosas) e disúria (dor ao urinar) (1).

Baixe o Clue e monitore todas as suas dores

  • Baixe o Clue app na App Store
  • Baixe o Clue app na Play Store
Imagem padrão

A endometriose é rara?

Não. Na verdade, é o contrário! A endometriose é uma das condições de saúde feminina mais comuns, afetando aproximadamente 190 milhões de pessoas em todo o mundo (1). Cerca de 1 em cada 10 mulheres em idade reprodutiva tem endometriose (2). Mas pode ser uma condição difícil de diagnosticar precocemente. Isso ocorre porque os sintomas podem variar muito e muitas vezes passar despercebidos ou ser mal diagnosticados, e a confirmação de um diagnóstico normalmente requer um procedimento cirúrgico (1). Estima-se que 6 em cada 10 pessoas com endometriose permanecem sem diagnóstico (3).

A endometriose afeta apenas mulheres na faixa dos 30 e 40 anos?

Não. A endometriose pode começar na primeira menstruação e durar até a menopausa (1). Estudos demonstraram que pode levar muitos anos para obter um diagnóstico: um estudo brasileiro mostrou um tempo médio de sete anos para o diagnóstico (4), e outros estudos no Reino Unido e nos EUA encontraram atrasos no diagnóstico de 8 e 12 anos, respectivamente ( 5). Como resultado, muitas pessoas envelhecem quando finalmente recebem um diagnóstico oficial.

A forma como as pessoas vivenciam a endometriose varia de pessoa para pessoa, o que pode contribuir para que muitos profissionais de saúde não consigam diagnosticá-la facilmente (1). Receber um diagnóstico pode demorar mais se o seu sintoma principal for dor pélvica em vez de infertilidade (4). Muitas pessoas, incluindo profissionais de saúde, podem considerar a menstruação dolorosa típica (4), e não é incomum que as pessoas tenham décadas de menstruação dolorosa antes de serem diagnosticadas com endometriose (4).

Você pode "pegar" endometriose?

Não. Você não pode “pegar” endometriose. Não pode ser transmitido de pessoa para pessoa por contato físico ou sexual. A endometriose é uma condição médica que não tem causa clara conhecida (ainda!). Acredita-se que seja influenciado por vários fatores, incluindo genética, desequilíbrios hormonais e sistema imunológico (6).

Baixe o Clue e monitore todas as suas dores

  • Baixe o Clue app na App Store
  • Baixe o Clue app na Play Store
Imagem padrão

A endometriose é genética?

Não temos certeza. Atualmente não há causa conhecida para a endometriose, mas é altamente suspeito que seja influenciada por genes, hormônios e sistema imunológico (6). Mas isso não significa que alguém com predisposição genética para endometriose possa desenvolver a doença.

Os tratamentos hormonais podem curar a endometriose?

Medicamentos hormonais sintéticos, como a pílula, progestágenos, Danazol e análogos do GnRH, têm sido usados há muitos anos para controlar os sintomas da endometriose (1). Um estudo mostrou que os tratamentos hormonais podem tratar os sintomas da endometriose e prevenir a recorrência após a cirurgia (7). Esses tratamentos hormonais previnem e retardam temporariamente o crescimento de novos tecidos, mas não eliminam o tecido endometrial que já existe (2). Os medicamentos só funcionam enquanto estão sendo tomados (7). Uma vez interrompido o uso dos medicamentos, muitas vezes os sintomas retornam (7).

A gravidez cura a endometriose?

Não. A gravidez - assim como os tratamentos hormonais - pode suprimir temporariamente a endometriose, mas não a cura (8). Os sintomas geralmente retornam após o parto (8). Às vezes, a amamentação pode atrasar o retorno dos sintomas, mas apenas quando a amamentação é feita com frequência suficiente para suprimir o ciclo menstrual (9). Num estudo, 84% das mulheres tiveram recorrência de pelo menos um sintoma de endometriose dois anos após o parto (9).

Uma histerectomia pode curar a endometriose?

Não necessariamente. É possível ter endometriose sem ter útero, uma vez que tecido semelhante ao endométrio pode crescer em muitos locais da pélvis, como o revestimento da cavidade abdominal ou dos intestinos (1,7). A histerectomia, a remoção do útero e às vezes dos ovários, é um tratamento de último recurso (7). Esta opção irreversível é geralmente recomendada após outras medicações e cirurgia laparoscópica (a remoção cirúrgica conservadora do tecido da endometriose) terem sido tentadas sem sucesso (7). Cerca de 10% das pessoas com endometriose necessitarão eventualmente de cirurgia (10).

Uma histerectomia pode apresentar mais riscos e complicações do que uma cirurgia laparoscópica (7, 11). Num estudo, 46% das pessoas tiveram complicações após uma histerectomia (11). Fazer uma histerectomia causará infertilidade imediata e pode resultar no início da menopausa, mesmo quando os ovários não são removidos, encerrando (ou acelerando rapidamente o fim) do período reprodutivo de uma pessoa (11,12). Pessoas que fizeram histerectomia tiveram menos probabilidade de precisar de outra cirurgia do que aquelas que fizeram laparoscopia (11). A histerectomia pode oferecer alívio da dor, mas não é uma solução garantida (11). Aproximadamente 8 em cada 10 pessoas sentem dor 2 anos após a cirurgia (2).

Posso engravidar se tiver endometriose?

Isso varia de pessoa para pessoa. A infertilidade e a subfertilidade, impossibilidade de conceber após um ano de relações sexuais desprotegidas, são sintomas comuns da endometriose (13,14). Aproximadamente 4 em cada 10 pessoas inférteis têm endometriose (2). A endometriose pode causar infertilidade através de inflamação, que danifica óvulos e espermatozoides, ou através de alterações anatômicas e cicatrizes (2). No entanto, isso não significa que engravidar seja impossível para pessoas com endometriose. Alguns estudos demonstraram que cerca de 65% das pessoas com endometriose conceberam espontaneamente (7). Portanto, há esperança para as pessoas com endometriose, e os tratamentos de fertilidade podem melhorar as chances de concepção (7).

Acha que pode estar com endometriose?

Se você acha que tem endometriose, o monitoramento do seu ciclo e dos sintomas pode ajudar a fornecer um registro que pode fornecer ao seu médico informações que podem ajudar no diagnóstico e informar um plano personalizado de gerenciamento de sintomas. A atenção precoce à condição pode reduzir o risco de complicações (15).

No Clue app, você pode monitorar diferentes tipos de dor, níveis de dor e outros sintomas e experiências relacionadas ao ciclo. Se você for assinante do Clue Plus, poderá usar a aba de Análise para obter informações adicionais sobre os padrões e estatísticas do seu ciclo ao longo do tempo. O Clue também ilustra em gráficos os seus dados pessoais para que você possa acompanhar como seus sintomas podem mudar ao longo do tempo.

Artigo publicado originalmente em 20 de março de 2018.

ilustração da flor do Clue app
ilustração da flor do Clue app

Viva em sintonia com seu ciclo, baixe o Clue hoje.

Esse artigo foi útil?

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares

ilustração da flor do Clue app
ilustração da flor do Clue app

Viva em sintonia com seu ciclo, baixe o Clue hoje.