Ilustração: Emma Günther

Pele e cabelo

Vendo minha mãe perder o cabelo durante menopausa

A perda de cabelo durante a menopausa, ou alopecia da menopausa, pode causar significativo sofrimento emocional e ansiedade nas mulheres.

Criado pelo Clue com suporte financeiro da Vichy Laboratoires e L'Oréal

O estilo impecável da minha mãe foi uma constante ao longo da minha vida. Ela usou de tudo, desde um estilo conservador chique até o drama chamativo dos anos 1980. Mas sua pièce de résistance sempre foi, sempre, o seu cabelo. Ela aparecia majestosa em qualquer penteado, e usou todos eles em um momento: um afro poderoso no final dos anos 1980, um bob com franja para seu casamento no início dos anos 1990, cachos jheri e, eventualmente, até tranças quimicamente alisadas. Ela sempre teve o que é conhecido na comunidade negra como cabelo bom. 

Um cabelo bom é considerado uma bênção. Minha compreensão do termo “cabelo bom” evoluiu ao longo dos anos. Na minha compreensão, isso só se aplicava aos padrões de beleza eurocêntricos: prender cabelos lisos ou cachos soltos o suficiente para parecer racialmente ambíguo. Mas hoje em dia decidi que, para mim, "cabelo bom" significa que, independentemente do seu padrão de cachos, seu cabelo é grosso e forte o suficiente para resistir a qualquer estilo, tratamento ou produto de cabelo. Minha mãe teve um cabelo bom ao longo de sua vida, e isso formou sua identidade. Mas há cerca de uma década, aos 48 anos, ela notou que seu cabelo estava ficando ralo. Alguns meses depois disso, ela notou que em parte de seu couro cabeludo havia parado de crescer o cabelo. Finalmente, e de forma mais devastadora, ela descobriu uma pequena mas crescente área calva. Ela ficou alarmada e confusa. Cuidar de seu cabelo sempre havia sido tão fácil.   

“Quando comecei a notar que meu cabelo estava caindo, não me senti muito feliz com ele. Eu gostaria de não ter usado tantos produtos químicos ao longo dos anos. Eu estava pensando se talvez devesse tomar mais vitaminas? Talvez me alimentar de forma vegana? Mas nada funcionou”, minha mãe disse, sobre aquele momento angustiante. Mas resultou que a perda de seu cabelo bom estava completamente fora de seu controle. Foi algo que não poderia ter sido evitado, porque era um sintoma da menopausa. 

Os efeitos da menopausa são diferentes para cada mulher e são causados ​​principalmente por quedas de estrogênio quando os ciclos menstruais cessam. Os sintomas comuns incluem ondas de calor, pele seca e, claro, perda de cabelo (1). Só porque esses sintomas são comuns em mais de 50% das mulheres não significa que seja uma transição fácil. A perda de cabelo durante a menopausa, ou alopecia da menopausa, pode causar significativo sofrimento emocional e ansiedade nas mulheres e com minha mãe não foi diferente (2, 3). (Os sintomas da menopausa provavelmente agravaram seus sentimentos—flutuações hormonais durante a menopausa podem causar mudanças de humor, interrupções do sono e outros efeitos que podem afetar a saúde mental).  

Sentávamos e assistíamos a vídeos do YouTube por horas, aprendendo sobre a melhor combinação de óleos, manteigas, cremes e condicionadores para o crescimento do cabelo e reparação de danos. Passamos os sábados aprendendo a melhor torcer e trançar o cabelo para evitar a quebra. Eu geralmente era a cobaia, testando estilos e produtos no meu cabelo primeiro, antes de experimentá-los no dela. E por um tempo, parecia que estávamos conseguindo. Seu cabelo não estava tão cheio quanto costumava ser, mas não parecia mais quebrar e cair. Então ela decidiu trançar o cabelo novamente. De forma trágica, depois de tantos meses de melhora, a tensão causada pela trança foi seguida por uma súbita perda de mais cabelo—desta vez em uma área perceptível na frente de sua cabeça. “Eu me senti traída pelo cabelo que estava tentando nutrir”, ela me disse. 

Cada passo à frente parecia outros dois passos para trás. Por fim, ela procurou ajuda profissional, imaginando que especialistas médicos trariam uma solução. Mas um dermatologista disse a ela que não havia tempo a perder. Tudo o que ela podia recomendar era que minha mãe descansasse o couro cabeludo e evitasse qualquer coisa que pudesse causar tensão ou estresse em sua cabeça. Tudo o que minha mãe queria fazer era usar lenços ou tiaras para cobrir a calvície, mas o dermatologista disse a ela que isso poderia piorar a irritação.

Sua única opção era abraçar sua situação e, gradualmente, ela vem usando seu cabelo natural, com as áreas defasadas e tudo mais. Embora eu já tenha me apegado ao fato de o cabelo ser a chave para o estilo dela, percebi que, na verdade, era sobre sua confiança. “Eu tenho 57 anos”, ela me disse recentemente, refletindo sobre esse tempo. “Meu cabelo não vai mais ficar cheio, mas estou criando meus próprios estilos únicos para combinar com meu cabelo ralo. Eu tenho que fazer isso funcionar!”, ela disse. 

Assistir minha mãe lutando com seu cabelo me fez admirar a quantidade de amor próprio que ela tinha que ter para lidar com os desafios e continuar sendo o ícone de estilo que todos conhecíamos, apesar do fato de que seu cabelo não era mais o que era antes. Ao meu ver, nós mulheres negras colocamos tanta identidade pessoal e energia emocional em nossos cabelos. É cansativo. 

Meu cabelo nunca cresceu tão rápido quanto eu gostaria, nunca apliquei os produtos do jeito que deveria, e nunca consegui replicar os vídeos que assisti online. Ao contrário da minha mãe, não importa o estilo que eu tentasse, isso só deixaria meu cabelo mais danificado e quebrado. Como minha mãe, eu acabei superando todo o drama. As pessoas sempre me diziam que eu parecia com minha mãe. Percebi que, se minha mãe, com suas maçãs do rosto levantadas e cabelos naturais, ralos e com áreas calvas ainda podia ficar linda, eu também podia.  

Então eu raspei tudo, estilo Lupita. Não havia nada inerentemente errado com as perucas e extensões que eu estava usando. O que estava errado era como eu me sentia por dentro. Eu me senti uma fraude, diferente de mim mesma, como se eu só pudesse ser bonita enquanto meu cabelo tivesse uma determinada aparência. 

Mas quando cortei meu cabelo, de repente pude apreciar as características impressionantes que herdei de minha mãe: as maçãs do rosto salientes, os grandes olhos castanhos e um sorriso contagiante para combinar. Pela primeira vez em muito tempo, me senti eu mesma. Também me aliviou pensar que daqui a trinta anos, quando meus próprios níveis hormonais caírem durante a menopausa, eu já terei passado décadas aprendendo a me amar em qualquer condição em que meu cabelo esteja. Estou fazendo um favor para a Eu do futuro, se você pensar bem.

ilustração da flor do Clue app
ilustração da flor do Clue app

Viva em sintonia com seu ciclo, baixe o Clue hoje.

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares